Um Shakespeare popular no Brasil do século XXI – anotações em torno da apropriação de Ricardo III pelo grupo Clowns de Shakespeare

  • Angélica Tomiello Universidade Federal do Paraná
  • Alexandre Villibor Flory Universidade Estadual de Maringá
Palavras-chave: Literatura estrangeira, William Shakespeare, Adaptação, Teatro de grupo

Resumo

O modo como um texto estrangeiro pode ser ressignificado em diferentes culturas ganha contornos diversos a partir da perspectiva de trabalho de grupos teatrais que os encenem. É nesse sentido que representações de grupos de teatro brasileiro com viés popular ganham relevância ao refletir sobre o texto estrangeiro, levando em conta tanto a cultura-fonte do texto adaptado, quanto a cultura-alvo de recepção desses trabalhos. Nesse trabalho, muitas vezes, o viés popular questiona o caráter clássico do texto. Essa proposta de trabalho pode ser reconhecida como apropriação intercultural (PAVIS, 2015), uma perspectiva profícua de trabalho com atualizações necessárias para a compreensão de textos clássicos, principalmente quando provenientes de outras culturas. No caso deste artigo, o recorte, para exemplificação de como o trabalho com a literatura estrangeira no Brasil tem sido feito na contemporaneidade, recai sobre a encenação de Sua Incelença Ricardo III, pelo grupo potiguar Clowns de Shakespeare.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexandre Villibor Flory, Universidade Estadual de Maringá

Alexandre Villibor Flory é Doutor em Literatura Alemã pela FFLCH-USP (2006) e pós-doutor pela UFRJ (2017). Atualmente é professor da Universidade Estadual de Maringá (UEM), onde atua na área de Teoria Literária, Literatura Brasileira, Teoria, Crítica e História do Teatro, em nível de graduação e de pós-graduação. É coordenador do Grupo de Pesquisa Crítica Literária Materialista (UEM) e participa do Grupo de Pesquisa Formação do Brasil Moderno: literatura, cultura e sociedade (UFRJ). É membro do GT da Anpoll Dramaturgia e Teatro. É editor-chefe da revista Acta Scientiarum – Language and Culture, da área de Letras e Linguística. Também participa da Rede Internacional Teatro e Sociedade. É um dos organizadores do livro Teatro e Intermidialidade (2015), além de autor de artigos publicados em diversas revistas e capítulos de livros na área dos estudos teatrais.

Referências

ANDRADE, O. Manifesto Antropófago. In: ROCHA, J. C. C.; RUFFINELLI, J. (Org.) Antropofagia hoje?: Oswald de Andrade em cena. São Paulo: É Realizações, 2011. p. 27-31.
AREAS, V. Iniciação à comédia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1990.
BANDEIRA, M. Os melhores poemas de Manuel Bandeira. 4. ed. São Paulo: Global, 1986.
BRECHT, B. Estudos sobre teatro. Tradução Fiama Pais Brandão. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1978.
CAFEZEIRO, E.; GADELHA, C. História do teatro brasileiro: um percurso de Anchieta a Nelson Rodrigues. Rio de Janeiro: Editora UFRJ: EDUERJ: FUNARTE, 1996.
CAMATI, A. S.; LEÃO, L. C. Spatial negotiations in the Brazilian street production Sua Incelença, Ricardo III by Clowns de Shakespeare. The Shakespearean International Yearbook. 16: Special Section, Shakespeare on Site. London: Routledge, 2016. p. 87-107.
CAMATI, A. S.; LEÃO, L. C. Um Shakespeare brasileiro: a música de cena em Sua Incelença, Ricardo III. Revista Cerrados. Brasília, 2013, v. 22, n. 35, p. 217-230, 2013.
CARVALHO, S. Atitude modernista no teatro brasileiro. In.: Próximo ato: teatro de grupo. ARAÚJO, A.; AZEVEDO, J.; TENDLAU, M. (orgs) São Paulo: Itaú Cultural, 2011, p.100-105.
Clowns de Shakespeare misturam guerra inglesa e sertão nordestino em Sua Incelença, Ricardo III. Disponível em: Acesso em: 27 abr. 2019
Clowns de Shakespeare – Só mais um site WordPress. Disponível em: Acesso em: 23 abr. 2019
COSTA, Iná C. O teatro de grupo e alguns antepassados. Próximo ato: teatro de grupo. ARAÚJO, A.; AZEVEDO, J.; TENDLAU, M. (orgs) São Paulo: Itaú Cultural, 2011, p. 51-5.
D’AURIA, V. Shakespeare’s Clowns: an irreverent and magical Brazilian version of Richard III. Multicultural Shakespeare: Translation, Appropriation and Performance, 2013, v. 10, n. 25, p. 137.
FARIA, J. R. História do teatro brasileiro. Volume 1: das origens ao teatro profissional da primeira metade do século XX. São Paulo: Perspectiva: Edições SESCSP, 2012.
FARIA, J. R. História do teatro brasileiro. Volume 2: do modernismo às tendências contemporâneas. São Paulo: Perspectiva: Edições SESCSP, 2013.
FARIA, J. R. Ideias teatrais: o século XIX no Brasil. São Paulo: FAPESP: Perspectiva, 2011.
FERNANDES, Sílvia. Verbete Grupos teatrais. GUINSBURG, J.; FARIA, J. R.; LIMA, M. A. (coordenação) Dicionário do teatro brasileiro: temas, formas e conceitos. 2ª ed. rev. e ampl. São Paulo: Perspectiva: Edições Sesc, 2009, p. 162-4.
Grupo de Teatro Clowns de Shakespeare - Primeiro Sinal. Disponível em: Acesso em: 08 jan. 2018.
GOMES, C. M. William Shakespeare no Brasil. Anais da Biblioteca Nacional. Vol. 79. 1959.
GOMES, E. Shakespeare no Brasil. Departamento de Imprensa Nacional. São Paulo: MEC, 1961.
GUERIOS, A. M. A Atualidade de Shakespeare: Um estudo sobre Romeu & Julieta do Grupo Galpão. 2017. 140 f. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual de Maringá (UEM). Maringá, 2017.
MARTINS, M. A tradução do drama shakespeariano por poetas brasileiros. Revista IPOTESI. Juiz de Fora, vol.13, n.1, p. 27-40, jan-jul 2009. Disponível em: Acesso em: 10 fev. 2019.
MATE, A. Grupos teatrais no Brasil contemporâneo. Revista Moringa. Natal, 2011, vol. 2, n. 1, p. 35-47, 2011.
MELLO, K. B. Boal em três tempos no Arena: texto, cena, crítica e teoria. Dissertação defendida na UEM, Maringá. 2016. 193 páginas. Disponível em: Acesso em: 20 jan. 2019.
MERCURY, F. Bohemian Rapsody. A Night at the Opera. Lado B. EMI: 1975. Disponível em: < https://www.youtube.com/watch?v=fJ9rUzIMcZQ> Acesso em: 05 mai. 2019.
MIT Global Shakespeares – Video and performance archive. Disponível em: Acesso em: 27 abr. 2019.
PAVIS, P. O teatro no cruzamento de culturas. Tradução de Nanci Fernandes. São Paulo: Perspectiva, 2015.
ROSENFELD, A. Texto/contexto I. São Paulo: Perspectiva, 2013.
SHAKESPEARE, W. Teatro completo. Tradução de Barbara Heliodora. São Paulo: Editora Nova Aguilar, 2016. Vol. 3.
WILLIAMS, R. Marxismo e Literatura. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1979.
WORTHEN, W. B. Shakespeare and the force of modern performance. Cambridge: Cambridge University Press, 2003.
Publicado
2019-10-13
Como Citar
Tomiello, A., & Flory, A. (2019). Um Shakespeare popular no Brasil do século XXI – anotações em torno da apropriação de Ricardo III pelo grupo Clowns de Shakespeare. Revista Criação & Crítica, 1(24), 69-88. https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.v1i24p69-88