Ainda sobre o direito à literatura

  • Mariana Ruggieri Universidade Estadual de Campinas
Palavras-chave: Antonio Candido, Teoria literária, Valor, Direito

Resumo

O presente ensaio visa investigar “O direito à literatura” primeiro por meio de uma leitura crítica em confronto com outros textos de Antonio Candido como “Literatura de dois gumes” [Double-edge Literature] e “Perversão da Aufklärung” para depois situar algumas dificuldades no campo da teoria literária hoje para o tratamento teórico de outras formas textuais e culturais, como o Rap e a Carta Guarani-Kaiowá, explorando, por um lado, a “crise do valor” na “leitura imanente” e, por outro, o direito à literatura como a defesa do direito a ler literariamente um documento em um texto de Marília Librandi-Rocha. Mais do que propor uma solução para esse impasse disciplinar, proponho demonstrar os limites da teoria literária no modo como ela se constitui hoje, apontando para a necessidade de constituir outros arcabouços teóricos e críticos.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BENJAMIN, W. “O autor como produtor. Conferência pronunciada no Instituto para o Estudo do Fascismo, em 27 de abril de 1934”. In: Magia e Técnica, Arte e Política. São Paulo: Editora Brasiliense, 1987.

BORGES, A. “Sem sombra para descansar: etnografia de funerais na África do Sul contemporânea”. In: Anuário Antropológico, 2011.

CANDIDO, A. “Estímulos da Criação Literária”. In: Literatura e sociedade. São Paulo: T. A. Queiroz, 2000; Publifolha, 2000.

CANDIDO, A . “Literatura de dois gumes”. In: A educação pela noite e outros ensaios. São Paulo: Ática, 1989.

CANDIDO, A. “Perversão da Aufklärung”. In: Textos de intervenção. Org. Vinicius Dantas. São Paulo: Ed. 34 / Duas Cidades, 2002.

CANDIDO, A. “O direito à literatura”. In: Vários escritos. São Paulo: Duas Cidades / Ouro sobre Azul, 2004.

CANDIDO, A. “O portador”. In: Brigada ligeira e outros escritos. São Paulo, Editora Unesp, 1992.

LIBRANDI-ROCHA, M. “A Carta Guarani Kaiowá e o direito a uma literatura com terra e das gentes”. In: Estudos de literatura brasileira contemporânea, n.44, jul./dez. 2014.

LIBRANDI-ROCHA, M. “Escutar a escrita: por uma teoria literária ameríndia”. In: O eixo e a roda, v.21, n.2, 2012.

LIENHARD, M. Testimonios, cartas y manifiestos indígenas (desde la conquista hasta comienzos del siglo XX). Caracas: Biblioteca Ayacucho, 1992.

MOLINA, L. “Lutar e habitar a terra: um encontro entre autodemarcações e retomadas”. In: Revista de Antropologia da Ufscar, 9 (1), jan/jun. 2017.

NATALI, M. “Além da Literatura”. In: Literatura e Sociedade, 11(9), 2006.

OLIVEIRA, I. “O direito à literatura: democracia e dessegragação cultural”. In. FONSECA, M. A, SCHWARZ, R. (orgs). Antonio Candido 100 anos. São Paulo: Editora 34, 2018.

OTSUKA, E. “Estrutura, função e valor na crítica de Antonio Candido”. In: BERGAMO, A. e ROJAS, J. (Orgs). Candido, Schwarz & Alvim: A crítica literária dialética no Brasil. São Paulo: Intermeios, 2019.

PACHECO, A. P. “O radicalismo do radical de classe média”. In. FONSECA, M.A, SCHWARZ, R. (orgs). Antonio Candido 100 anos. São Paulo: Editora 34, 2018.

PIZARRO, A (Org). La literatura latinoamericana como proceso. Buenos Aires: Centro Editor de América Latina, 1985.

RIBEIRO DE SOUZA, E. “Literatura indígena e direitos autorais”. In: DORRICO, J. et al. (Orgs.) Literatura indígena brasileira contemporânea: criação, crítica e recepção. Porto Alegre: Editora Fi, 2018.

SANTOS, A. Colonização, quilombos: modos e significações. Brasília: INCT, 2015.
Publicado
2020-06-09
Como Citar
Ruggieri, M. (2020). Ainda sobre o direito à literatura. Revista Criação & Crítica, 1(26), 71-87. Recuperado de https://www.revistas.usp.br/criacaoecritica/article/view/168080