“Dá pra falar belo assim?”: Ana Cristina Cesar, embates e figurações do corpo na escrita

Autores

  • Fernanda Morse Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.i28p289-306

Palavras-chave:

Ana Cristina Cesar, corpo, provocação, projeto político-literário , escrita feminina

Resumo

O presente artigo visa investigar os usos do corpo na obra de Ana Cristina Cesar através da análise de três poemas presentes na recolha da Pasta Rosa (2008): “25 de maio de 1976”; “era noite e uma luva de angústia…”  e “idispiando”. Para tanto, lançamos mão tanto de textos que nos situam nas discussões lançadas pelos próprios poemas, quanto daqueles que tangenciam o período de sua produção. Buscamos entender certo percurso de inserção do corpo nas manifestações artísticas brasileiras com o apoio do trabalho Corpos Pagãos (2015) de Mário Cámara, assim como o contexto literário em que a produção de Ana C. se insere, partindo de textos de Heloisa Buarque de Hollanda, Glauco Mattoso e Viviana Bosi. Por fim, compreendemos que esses poemas deixados “à sombra” podem iluminar a leitura daqueles publicados em vida pela autora, em uma relação complementar e esclarecedora para aqueles que se aventuram entre as elipses de Ana C.

Palavras-chave: Ana Cristina Cesar; corpo; provocação; projeto político-literário; escrita feminina

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDRADE, Carlos Drummond. A rosa do povo. Rio de Janeiro: Record, 1987

BENJAMIN, Walter. A Origem do Drama Barroco Alemão. São Paulo: Brasiliense, 1984.

BOSI, Viviana (Org.); NUERNBERGER, Renan. (org.). Neste Instante: novos olhares sobre a poesia brasileira dos anos 70. São Paulo: Humanitas: FAPESP, 2018

CÁMARA, Mario. Corpos Pagãos: usos e figurações na cultura brasileira (1960-1980). Tradução de Luciana di Leone. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014.

CESAR, Ana Cristina. Poética. São Paulo: Companhia das Letras, 2013

CESAR, Ana Cristina. Crítica e Tradução. São Paulo: Editora Ática, 1999.

HOLLANDA, Heloisa Buarque de. Impressões de viagem (cpc, vanguarda e desbunde: 1960/70). Rio de Janeiro: Aeroplano, 2004.

MALUFE, Annita Costa. Poéticas da imanência: Ana Cristina Cesar e Marcos Siscar. Rio de Janeiro e São Paulo: 7Letras e FAPESP, 2011.

MARCHI, Tatiane; FRANCHETTI, Paulo. Ana Cristina Cesar e a poesia marginal. Revista Língua, Literatura e Ensino, v. IV. Maio/2009. p.p. 385-94.

MATTOSO, Glauco. O que é poesia marginal. São Paulo: Brasiliense, 1982.

MORICONI, Ítalo. Ana Cristina Cesar: o sangue de uma poeta. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1996.

SCHWARZ, Roberto. O pai de família e outros estudos. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978

SISCAR, Marcos. De volta ao fim: o “fim das vanguardas” como questão da poesia contemporânea. Rio de Janeiro: 7Letras, 2016.

SÜSSEKIND, Flora. Até Segunda Ordem não me risque nada. Rio de Janeiro: 7Letras, 1995

Downloads

Publicado

2020-12-22

Como Citar

Morse, F. (2020). “Dá pra falar belo assim?”: Ana Cristina Cesar, embates e figurações do corpo na escrita. Revista Criação & Crítica, (28), 289-306. https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.i28p289-306