Isto é um roçar de mãos? Sobre dois livros (e um artigo) escritos em dupla

Autores

  • Mariana Cobuci Schmidt Bastos Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
  • Lucas Rodrigues Negri Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.i28p113-131

Palavras-chave:

Encontro, comunidade, poesia contemporânea, endereçamento

Resumo

A poeta Ana Martins Marques publicou dois livros escritos em dupla: Duas janelas (em 2016), com Marcos Siscar, e Como se fosse a casa (uma correspondência) (em 2017), com Eduardo Jorge – o primeiro deles, dentro de uma coleção da editora Luna Parque dedicada exclusivamente a publicações como essas. Não são apenas livros de autoria compartilhada, mas o resultado do envio de poemas entre os autores, o que os aproxima de diálogos ou trocas de cartas, embora não sejam definíveis dessa forma. Este artigo investiga tal dinâmica de encontro, com suas questões próprias, singularidades e diferenças em relação a outros gêneros e outras práticas de compartilhamento autoral.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Cobuci Schmidt Bastos, Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

Bacharela em Letras (USP), mestra e doutoranda em Literatura Brasileira (USP, bolsista CNPq).

Lucas Rodrigues Negri, Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

Bacharel em Letras (USP) e mestrando em Literatura Portuguesa (USP, bolsista CAPES). 

Referências

BARBOSA, R. “Poesia a quatro mãos: Duas janelas de Ana Martins Marques e Marcos Siscar”. InterteXto, Uberaba, v. 11, n. 02, 2018, p. 34-55.

CESAR, A. Poética. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

CESAR, A. Crítica e tradução. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

FILHO, A.; Hollanda, H. (orgs.). Correspondência incompleta. Rio de Janeiro: Aeroplano, 1999.

GARRAMUÑO, F. Frutos estranhos: sobre a inespecificidade na estética contemporânea. Rio de Janeiro: Rocco, 2014.

GULLAR, F. Poema sujo. Rio de Janeiro: José Olympio, 2010. Rio de Janeiro: Rocco, 2014.

GULLAR, F. Barulhos. Rio de Janeiro: José Olympio, 2013.

HENRIQUES, P. “Poesia e memória”. In: PEDROSA, C. (org.). Mais poesia hoje. Rio de Janeiro: 7Letras, 2000.

HIATO, Cia. Projeto ficção. Belo Horizonte: Editora Javali, 2019.

LEONE, L. Poesia e escolhas afetivas: edição e escrita na poesia contemporânea. Rio de Janeiro: Rocco, 2014.

MARQUES, A.; JORGE, E. Como se fosse a casa (uma correspondência). Belo Horizonte: Relicário Edições, 2017.

MARQUES, A.; SISCAR, M. Duas janelas. São Paulo: Luna Parque, 2016.

PAZ, O. O arco e a lira. Tradução: Ari Roitman e Paulina Wacht. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

PEDROSA, C.; KLINGER, D.; WOLFF, J.; CÁMARA, M. (orgs.). Indicionário do contemporâneo. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2018.

SANTIAGO, S. “Singular e anônimo”. In: CESAR, A. Poética. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

SISCAR, M. De volta ao fim: o “fim das vanguardas” como questão da poesia contemporânea. Rio de Janeiro: 7Letras, 2016.

Downloads

Publicado

2020-12-22

Como Citar

Bastos, M. C. S., & Negri, L. R. (2020). Isto é um roçar de mãos? Sobre dois livros (e um artigo) escritos em dupla . Revista Criação & Crítica, (28), 113-131. https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.i28p113-131