O ourives do palavreado nas encruzilhadas da linguagem: polifonia e síncope em Aldir Blanc

Autores

  • Fabrício de Araújo César Gonçalves Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.i31p134-153

Palavras-chave:

Aldir Blanc, música popular brasileira, literatura e música, encruzilhadas

Resumo

Aldir Blanc é um dos maiores e mais importantes poetas da canção brasileira. Segundo o escritor Sérgio Rodrigues, sua obra “funde o lírico e o antilírico numa nova unidade que já não é possível quebrar”, numa aliança “entre o sublime e grotesco, que se pode chamar de neobarroca, é uma chave de leitura da alma brasileira que merece atenção”. Neste artigo, buscamos desvendar alguns dos sentidos dessa “leitura da alma brasileira”, considerando a obra do letrista que foi chamado de “Ourives do Palavreado” por Dorival Caymmi como uma interpretação do Brasil e suas querelas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADORNO, Theodor. Quasi una fantasia – escritos musicais II. Tradução de Eduardo Socha. São Paulo: Editora Unesp, 2018.

BARBOSA, Jorge Luiz; CUNHA, Diogo; BARBOSA, Ana Thereza de Andrade. As águas encantadas da Baía de Guanabara. Rio de Janeiro: Numa Editora, 2021.

BENJAMIN, Walter. O Anjo da História. Organização e tradução de João Barrento. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2012 e LÖWY, Michel. Walter Benjamin: Aviso de incêndio – uma leitura das teses “Sobre o Conceito de História”. Tradução de Wanda Nogueira Caldeira Brant. Tradução das Teses de Jeanne Marie Gagnebin e Marcos Lutz Müller. São Paulo: Boitempo, 2005.

BLANC, Aldir; SUKMAN, Hugo; VIANNA, Luiz Fernando. Heranças do Samba. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2004.

CARVALHO, Hemínio Bello de. Aldir: ourives. Grandes letristas brasileiros Número 00. Aldir Blanc & amigos. Encarte que acompanhou o disco Aldir Blanc 50 anos.

CAMPOS, Haroldo. Metalinguagem & outras metas. São Paulo: Perspectiva, 2006.

CHALHOUB, Jorge. Os Mundos de Aldir. Publicado em Escuta – revista de arte e política. Disponível em: https://revistaescuta.wordpress.com/2020/05/06/os-mundos-de-aldir/.

DA MATTA, Roberto. Carnavais, malandros e heróis: para uma sociologia do dilema brasileiro. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Sobrevivência dos vaga-lumes. Tradução de Vera Casa Nova e Márcia Arbex. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011

HERNÁNDEZ, Adrián de Souza. Echu-Elegguá: equilíbrio dinâmico de la existencia (Religión Yorubá). Cuba: Ediciones Unión, 1998.

LINEBAUGH, Peter; REDIKER, Marcus. A hidra de muitas cabeças: marinheiros, escravos, plebeus e a história oculta do Atlântico revolucionário. Tradução de Berilo Vargas. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

MERQUIOR, José Guilherme. Verso universo em Drummond. São Paulo: É Realizações, 2016.

REGO, Norma Pereira. Pasquim: gargalhantes pelejas. Rio de Janeiro: Relume-Dumará/Prefeitura, 1996

RODRIGUES, Sérgio. Viva Aldir Blanc! Em Folha de São Paulo, 23/4/2020.

RUFINO, Luiz. Pedagogia das Encruzilhadas. Rio de Janeiro, Mórula, 2019.

SAFATLE, Vladimir. Grande Hotel Abismo: por uma reconstrução da teoria do reconhecimento. São Paulo: Martin Fontes, 2012.

SIMAS, Luiz Antonio. Aldir Blanc cantou a aldeia, e por isso falou do mundo, em O Globo, 4/5/2020

SIMAS, Luiz Antonio; RUFINO, Luiz. Fogo no mato: A Ciência Encantada das Macumbas. Rio de Janeiro: Mórula, 2018.

SODRÉ, Muniz. Samba, o Dono do Corpo. Rio de Janeiro: Mauad, 1998.

VIANNA, Luiz Fernando. Aldir Blanc: Resposta ao Tempo -vida e letras. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2013.

Downloads

Publicado

2021-12-30

Como Citar

Gonçalves, F. de A. C. . (2021). O ourives do palavreado nas encruzilhadas da linguagem: polifonia e síncope em Aldir Blanc. Revista Criação & Crítica, 31(31), 134-153. https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.i31p134-153

Edição

Seção

Artigos