Gal, a fatal: o tropicalismo musical e o gesto interpretativo de Gal Costa

Autores

  • Taissa Maia Amorim Cordeiro Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.i31p65-80

Palavras-chave:

Música Popular Brasileira, Tropicalismo Musical, Gal Costa, Corporalidade, Autoralidade

Resumo

Este artigo apresenta um novo recorte dos fatos relacionados ao movimento tropicalista, a fim de refletir sobre o papel de Gal Costa na história do tema e sobre os sentidos de seu canto para a crítica musical brasileira. Faz-se isso por meio de uma pesquisa que foi empreendida em entrevistas dessa artista em jornais de grande circulação, além de documentários e programas de televisão. Ao longo do artigo, a história oficial desse movimento de vanguarda e a tradição crítica que pensou o tema foram indagadas, com o objetivo de melhor compreender o lugar ocupado por Gal nos debates que envolvem o tropicalismo musical. Não só isso, reflete-se sobre conceitos como autoralidade, composição, a corporalidade empregada como discurso cênico, entre outros tópicos que residem nas interseções entre música e literatura.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Rio de Janeiro, 4 de dezembro de 1969. Caderno B, p.8.

COSTA, Gal. [Entrevista concedida a] MARIA, Léa. Meu nome é Gal e não vim fazer desfile. Jornal do Brasil. Rio de Janeiro, 29 de maio de 1970. Caderno B, p.5.

DUARTE, P. O Livro do Disco: Tropicália ou Panis et Circenses. Rio de Janeiro: Cobogó, 2018.

FAVARETTO, Celso. Tropicália alegoria, alegria. São Paulo: Ateliê Editorial, 2007.

JARDIM, Eduardo. Tudo em volta está deserto. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2017.

O NOME dela é Gal. Série documental. Direção de Dandara Ferreira. Brasil: 2017.

GONÇALVES, Marcos; HOLLANDA, Heloisa B. Cultura e participação nos anos 60. São Paulo: Editora Brasiliense, 1982.

HOLLANDA, Heloisa Buarque de. Impressões de viagem: CPC, vanguarda e desbunde. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2004.

MACHADO, Regina. Da intenção ao gesto interpretativo: análise semiótica do canto popular brasileiro. Tese (Doutorado em Linguística) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. São Paulo: 2012.

NAVES, S. Da Bossa Nova à Tropicália. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.

NAVES, Santuza. Canção Popular no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

NOLETO, Rafael da Silva. Eu sou uma fruta gogóia, eu sou uma moça: Gal Costa e o Tropicalismo no feminino. In: Per musi. nº 30, 2014.

PERROT, Michelle. Minha história das mulheres. São Paulo: Contexto, 2007.

PORTELA, Juvenal. Um disco de baianos para todos. Jornal do Brasil. Rio de Janeiro, 5 de julho de 1967. Caderno B, p.2.

RIBEIRO, Ana Paula Goulart. A mídia e o lugar da história. In: HERSCHMANN, Micael; PEREIRA, Carlos A. (orgs). Mídia, Memória e Celebridades. Rio de Janeiro: E-Papers, 2005. P.105-129.

TERRON, Paulo. Ocupação Jards Macalé – Revendo amigos. Itaú Cultural. 2014. Disponível em: < https://www.itaucultural.org.br/ocupacao/jards-macale/revendo-amigos/>. Acesso em: 22 de março de 2021.

TV Globo. Conversa com Bial: Gal Costa. 19 de fevereiro de 2021. (43min).

VELOSO, Caetano. Verdade Tropical. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

VIANA, Hilton. Show da Gal. Diário da Noite. São Paulo, 28 de novembro de 1969. Segundo Caderno, p.6.

COSTA, Gal. [Entrevista concedida a] MARIA, Léa. Meu nome é Gal e não vim fazer desfile. Jornal do Brasil. Rio de Janeiro, 29 de maio de 1970. Caderno B, p.5.

DUARTE, P. O Livro do Disco: Tropicália ou Panis et Circenses. Rio de Janeiro: Cobogó, 2018.

FAVARETTO, Celso. Tropicália alegoria, alegria. São Paulo: Ateliê Editorial, 2007.

JARDIM, Eduardo. Tudo em volta está deserto. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2017.

O NOME dela é Gal. Série documental. Direção de Dandara Ferreira. Brasil: 2017.

GONÇALVES, Marcos; HOLLANDA, Heloisa B. Cultura e participação nos anos 60. São Paulo: Editora Brasiliense, 1982.

HOLLANDA, Heloisa Buarque de. Impressões de viagem: CPC, vanguarda e desbunde. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2004.

MACHADO, Regina. Da intenção ao gesto interpretativo: análise semiótica do canto popular brasileiro. Tese (Doutorado em Linguística) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. São Paulo: 2012.

NAVES, S. Da Bossa Nova à Tropicália. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.

NAVES, Santuza. Canção Popular no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

NOLETO, Rafael da Silva. Eu sou uma fruta gogóia, eu sou uma moça: Gal Costa e o Tropicalismo no feminino. In: Per musi. nº 30, 2014.

PERROT, Michelle. Minha história das mulheres. São Paulo: Contexto, 2007.

PORTELA, Juvenal. Um disco de baianos para todos. Jornal do Brasil. Rio de Janeiro, 5 de julho de 1967. Caderno B, p.2.

RIBEIRO, Ana Paula Goulart. A mídia e o lugar da história. In: HERSCHMANN, Micael; PEREIRA, Carlos A. (orgs). Mídia, Memória e Celebridades. Rio de Janeiro: E-Papers, 2005. P.105-129.

TERRON, Paulo. Ocupação Jards Macalé – Revendo amigos. Itaú Cultural. 2014. Disponível em: < https://www.itaucultural.org.br/ocupacao/jards-macale/revendo-amigos/>. Acesso em: 22 de março de 2021.

TV Globo. Conversa com Bial: Gal Costa. 19 de fevereiro de 2021. (43min).

VELOSO, Caetano. Verdade Tropical. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

VIANA, Hilton. Show da Gal. Diário da Noite. São Paulo, 28 de novembro de 1969. Segundo Caderno, p.6.

ZUMTHOR, Paul. Escritura e nomadismo. São Paulo: Ateliê Editorial, 2005.

Downloads

Publicado

2021-12-30

Como Citar

Cordeiro, T. M. A. (2021). Gal, a fatal: o tropicalismo musical e o gesto interpretativo de Gal Costa. Revista Criação & Crítica, 31(31), 65-80. https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.i31p65-80

Edição

Seção

Artigos