Decifra-me ou te revelo: o autor para Foucault e Chartier

Autores

  • Helton Rubiano de Macedo Universidade Federal do Rio Grande do Norte

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.i33p142-157

Palavras-chave:

Autor, Michel Foucault, Roger Chartier

Resumo

Este artigo busca tensionar as concepções de autor a partir das reflexões de Michel Foucault (1926-1984) e Roger Chartier (1945-). Para tanto, apresenta o que denominamos de o problema da autoria, explorando as variadas faces do autor em perspectiva histórica e na atualidade. A partir disso, seguimos pelos principais conceitos de Michel Foucault, para quem a noção de autor ocupa papel central na individualização presente na história do conhecimento, uma vez que o retorno à genealogia de qualquer conceito, gênero literário ou filosofia sobrevaloriza a relação de um sujeito autor e a sua obra. Em seguida, debruçamo-nos sobre o pensamento de Roger Chartier acerca do autor. Cerca de trinta anos após a conferência de Foucault na Sociedade Francesa de Filosofia, Chartier é convidado pela mesma instituição a revisitar o tema do autor. O retorno de Chartier (2012) à questão se justifica, segundo ele mesmo, pela retificação de cronologias apontadas por Foucault (2009) e que sustentam a sua argumentação. Por fim, concluíamos com as possíveis interseções advindas dos dois pensadores. É possível traçar um paralelo daquilo que Chartier (2001) denominou lugar social com os modos de circulação de textos no âmbito sociocultural, constituinte da função-autor proposta por Foucault (2009). Somente por meio de um lugar social, entendido como espaço em que as dinâmicas sociais se revelam a partir de valores dessa mesma sociedade, é que é possível emergir o autor enquanto sujeito de fala. Nesse caso, trata-se de uma fala valorada simbolicamente a partir dos mesmos valores socialmente circulantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Helton Rubiano de Macedo, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Doutor em Estudos da Linguagem (2018). Mestre em Estudos da Mídia (2012).

Referências

ARÁN, Pampa Olga. A questão do autor em Bakhtin. Trad. Maria Helena Cruz Pistori. Bakhtiniana, São Paulo, número especial: 4-25, jan./jul. 2014. Disponível em: <https://revistas.pucsp.br/index.php/bakhtiniana/article/view/17700>. Acesso em: 8 jul. 2017.

BARTHES, Roland. Introdução à análise estrutural da narrativa. In: BARTHES, Roland et al. Análise estrutural da narrativa. Trad. Maria Zélia Barbosa Pinto. Rio de Janeiro: Vozes, 1973, p. 19-62.

BARTHES, Roland. A morte do autor. In: BARTHES, Roland. O rumor da língua. Trad. Mário Laranjeira. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2004, p. 57-64.

BELLEI, Sérgio Luiz Prado. A morte do autor: um retorno à cena do crime. Rev. Criação e Crítica. São Paulo, n. 12, p. 161-171, jun. 2014. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/criacaoecritica/article/view/69866/84849>. Acesso em: 28 fev. 2017.

CANELAS, Lucinha. Afinal, a pintura mais antiga do mundo não está na Europa. Público, 11 out. 2014. Disponível em: <https://www.publico.pt/2014/10/11/ciencia/noticia/a-mao-mais-velha-do-mundo-poe-em-duvida-que-a-arte-tenha-nascido-na-europa-1672526>. Acesso em: 27 fev. 2017.

CARDOSO, Regina Machado Araújo. Autor: aquele que morreu sem ter nascido. 20° Congresso Nacional ABED de Educação a Distância, 6 a 9 de outubro de 2014, Curitiba, PR. Anais... Disponível em: <http://www.abed.org.br/hotsite/20-ciaed/pt/anais/pdf/25.pdf>. Acesso em: 26 fev. 2016.

CHARTIER, Roger. A aventura do livro: do leitor ao navegador: conversações com Jean Lebrun. Trad. Reginaldo Carmello Corrêa de Moraes. São Paulo: UNESP/IMESP, 1999.

CHARTIER, Roger. Cultura escrita, literatura e história. Trad. Ernani Rosa. São Paulo: Artmed, 2001.

CHARTIER, Roger. O que é um autor? Revisão de uma genealogia. Trad. Luzmara Curcino e Carlos Eduardo Bezerra. São Carlos: EdUFSCar, 2012.

FOUCAULT, Michel. O que é um autor? In: MOTTA, Manoel Barros da (Org.). Estética: literatura e pintura, música e cinema. Coleção Ditos & Escritos III. Trad. Inês Autran Dourado Barbosa. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009, p. 264-298.

HOUAISS. Dicionário Eletrônico Houaiss da Língua Portuguesa. Versão monousuário 3.0, jun. 2009.

LINARDI, Fred. Como funcionava a prensa de Gutenberg? Mundo estranho, 22 de fevereiro de 2017. Disponível em: <http://mundoestranho.abril.com.br/historia/como-funcionava-a-prensa-de-gutenberg>. Acesso em: 27 fev. 2017.

MACEDO, Helton Rubiano de. Das estantes para a tela: práticas de universitários leitores de livros impressos e digitais. Natal: EDUFRN, 2014.

MARTINS, Giovani. O sol na cabeça. Companhia das Letras: São Paulo, 2018.

NAVARRETE, Eduardo. Construção e funcionamento do autor: Barthes, Foucault e Chartier. Revista Urutágua, n. 27, nov. 2012/ abr. 2013, p. 95-111. Disponível em: <http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/Urutagua/article/view/16170/10069>. Acesso em: 2 mar. 2017.

TORRES, Bolívar. Quem é o jovem Geovani Martins, a nova aposta da literatura nacional, O Globo. Publicado em: 2 mar. 2018. Disponível em: <https://oglobo.globo.com/cultura/livros/quem-o-jovem-geovani-martins-nova-aposta-da-literatura-nacional-22448355#ixzz5DAQAqZBq>. Acesso em: 19 abr. 2018.

Downloads

Publicado

2022-11-11

Como Citar

Macedo, H. R. de. (2022). Decifra-me ou te revelo: o autor para Foucault e Chartier. Revista Criação & Crítica, 33(33), 142-157. https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.i33p142-157