Das Antilhas para o globo: a pandemia zumbi

Autores

  • Philippe de Avellar Universidade Federal Fluminense

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.i32p82-97

Palavras-chave:

zumbi, monstro, Caribe, Antilhas, indústria do entretenimento, alteridade

Resumo

O zumbi já “nasceu” híbrido: com elementos africanos ancestrais, fundidos com o imaginário europeu e apropriados durante o período colonial como ferramenta de controle dos grupos de escravos, mais tarde desdobrados como leitura preconceituosa e limitadora das culturas antilhanas, e finalmente (com seus últimos acréscimos) atingindo em cheio o interesse do público ocidental — e do capitalismo —, o monstro concilia paradoxos conceituais e existenciais e aceita inúmeras camadas interpretativas, para uma vasta gama de pesquisas e reflexões das ciências humanas. Transbordando a mitologia para os campos da imprensa, da arte e do entretenimento, sempre mutuamente imbricados, o zumbi, fluido e contemporâneo, permite pensar a alteridade e a semelhança, e nubla limites que outros monstros tendem a manter intactos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Philippe de Avellar, Universidade Federal Fluminense

Mestre em Literaturas Francófonas pela Universidade Federal Fluminense, Licenciado em Letras Português-Francês pela mesma universidade; pesquisador em Literatura, artes e outras mídias; professor autônomo e particular de francês, inglês, espanhol, português, literatura, redação e escrita criativa. Email: avellarph@gmail.com

Referências

ALLARD, Jérôme-Olivier; LAMBERT-PERREAULT, Marie-Christine; HAREL, Simon. La mort intranquille: autopsie du zombie. Quebec: Presses de l’Université Laval, 2019.

AUDEGUY, Stéphane. Les monstres, si loin, si proches. Paris: Gallimard, 2007.

BAUMAN, Zygmunt. Vida líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2007.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. 1ª Ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2001.

COHEN, Jeffrey Jerome. Monster Theory. Minnesota: University of Minnesota Press, 1996.

GOMES, Anderson Soares. (De)Composições do corpo físico e social: a emergência do zumbi na ficção norte-americana contemporânea. In. Gragoatá, n. 35, p. 97-116. Niterói: UFF, 2013.

HURBON, Laënnec. Le barbare imaginaire. Paris : Les Éditions du Cerf, 1988.

JÁUREGUI, Carlos. Canibalia: Canibalismo, calibanismo, antropofagia cultural y consumo en América Latina. La Habana: Fondo Editorial Casa de las Américas, 2005.

LAPLANTINE, François; NOUSS, Alexis. Métissages: de Arcimboldo à Zombi. Paris : Pocket, 2001.

LAROCHE, Maximilien. “Zombi”. In BERND. Dicionário de figures e mitos literários das Américas. Porto Alegre: Tomo Editorial e Editora da UFRGS, 2007.

MÉTRAUX, Alfred. Voodoo in Haiti. Auckland: Pickle Partners Publishing, 2016.

PAIK, Peter Y. The Gnostic Zombie and the State of Nature: on Robert Kirkman’s “The walking dead”. Milwaukee: Universidade de Wisconsin, 2011. Disponível em: <http://ssrn.com/abstract=1912203> Acessado em 09 de fevereiro de 2022.

Filme

NOITE dos mortos-vivos, A. Direção: George Romero. Produção: Karl Harman; Russell Streiner. Estados Unidos: The Walter Reade Organization, 1968.

Downloads

Publicado

2022-07-28

Como Citar

Avellar, P. de . (2022). Das Antilhas para o globo: a pandemia zumbi. Revista Criação & Crítica, (32), 82-97. https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.i32p82-97