A insinuação da homossexualidade negro-caribenha – "Comme deux frères" (2007) de Maryse Condé

Autores

  • Dennys Silva-Reis Universidade Federal do Acre

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.i32p37-55

Palavras-chave:

Homossexualidade negra, Maryse Condé, Teatro antilhano

Resumo

O presente trabalho discute o texto Comme deux frères de Maryse Condé no que tange à poética da insinuação. A autora traz tanto na temática quanto na construção do texto dramático a questão da homossexualidade. Para comprovar isso, estuda-se, inicialmente, a relação da escritora com a homossexualidade, em seguida, expõe-se o que é o discurso machista antilhano e, por fim, examina-se em detalhes a construção textual da peça teatral. Vê-se que a poética da insinuação na obra se dá, em particular, pelos recursos do falso diálogo, de didascálias expressivas, dos diversos usos do ponto de reticencias e pelas metáforas sexuais. Nesse texto, Maryse Condé externa o tabu da homossexualidade antilhana dentro dos moldes de uma dramaturgia clássica de língua francesa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dennys Silva-Reis, Universidade Federal do Acre

Professor de Literaturas em Língua Francesa na Universidade Federal do Acre (UFAC). Professor e pesquisador credenciado do Mestrado Acadêmico em Estudos Literários (MEL/UNIR) e do Programa de Pós-Graduação em Letras Neolatinas (PPGLEN/UFRJ). E-mail: reisdennys@gmail.com

Referências

BÉRARD. S. Comme deux frères: huis clos nocturne pour d’obscurs désirs. In: CARRUGGI, N. Maryse Condé – Rébellion et transgressions. Paris: Karthala, 2015.

BÉRARD. S. Écrire est un acte peu surnaturel. In: Africine.org. Disponível em < http://www.africine.org/entretien/ecrire-est-un-acte-un-peu-surnaturel/6903>. Acesso em 17 jan. 2022.

BÉRARD. S. Entretien avec Maryse Condé, 2 juillet 2002. In: Women in French Studies. Volume 12. 2004, pp. 119-129.

BOISSERON, B. 2010. Intimité: entretien avec Maryse Condé. In: International Jour¬nal of Francophone Studies. vol. XIII, nº 1, 2010. pp. 131-153.

CONDÉ, M. Comme deux frères. Carnières-Morlanwelz/Bélgica: Lansman, 2007.

DÍAZ, D. F. Figures de l’homosexualité dans l’oeuvre de Maryse Condé. In: Anales de Filología Francesa. N. 28, 2020. pp. 91-111.

FANON, F. Pele negra, máscaras brancas. Tradução Renato da Silveira. Salvador: EDUFBA, [1952] 2008.

GLISSANT, E. Le Discours Antillais. Paris: Gallimard, 1997.

HUBERT, M-C. As grandes teorias do teatro. Tradução Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2013.

OLIVEIRA, R. S. Identidades homoafetivas do negro na literatura brasileira contemporânea. Dissertação de mestrado. Programa de Mestrado Acadêmico em Letras. Universidade Estadual do Piauí – UEPI: Teresina, 2016.

PAJOUL, R. Identités contrôlées: exposer les tabous dans la littérature et culture antillaises. Tese. Pós-graduação em Filosofia. Nashville-Tennessee: Universidade de

PRUNER, M. L’analyse du texte de théâtre. Paris: Armand Colin, 2009.

ROMANOWSKI, S. Le huis clos tragique de Comme deux frères de Maryse Condé. In: L’Annuaire théâtral, (50-51), 2011. pp. 141–154.

ROUBINE, J-J. Introduction aux grandes théories du théâtre. Paris: Dunod, 1990.

SPEAR, T. C. Jouissances carnavalesques: représentations de la sexualité. In: COTTENET-HAGE, M.; CONDÉ, M. (orgs). Penser la Créolité. Paris: Editions Karthala, 1995. pp. 135-152.

UBERSFELD, A. Para ler o teatro. Tradução José Simões. São Paulo: Perspectiva, 2013.

Vanderbilt, 2018.

Downloads

Publicado

2022-07-28

Como Citar

Silva-Reis, D. (2022). A insinuação da homossexualidade negro-caribenha – "Comme deux frères" (2007) de Maryse Condé. Revista Criação & Crítica, (32), 37-55. https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.i32p37-55