A linguagem e o estilo de Orion: análise genética de alguns ditados de angústia do livro L’enfant bleu de Henry Bauchau

Autores

  • Caio Leal Messias Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Departamento de Letras Modernas - Francês

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.i33p158-183

Palavras-chave:

Henry Bauchau, L'enfant Bleu , Ditados de angústia, Crítica Genética, Linguagem

Resumo

Acompanhamos ao longo do romance L’enfant bleu, de Henry Bauchau, publicado em 2004, o processo de cura por meio do qual Orion, adolescente psicótico auxiliado pela psicanalista e professora Véronique, aprende a lidar com seus sintomas e se descobre como artista através de um tratamento alternativo baseado no emprego da arte e da psicanálise. Anos mais tarde, é revelado ao público que o personagem Orion é inspirado no artista Lionel, paciente de Bauchau nos anos 1970 e 1980. O estudo genético de ditados de Orion, que remetem por vezes a textos clínicos de Lionel, revela o rico processo de reescrita criativa empreendido pelo escritor. Interessa-nos compreender esse processo de reescrita criativa. Analisamos, portanto, neste artigo, do ponto de vista genético e estilístico, a linguagem do personagem Orion do romance L’Enfant Bleu, de Henry Bauchau. Os trechos analisados, em suas diversas versões, serão os seguintes: Nosso Projeto (1); Ditado de Angústia nº 2 (2); Ditado de Angústia nº 8 (3) e Ditado de Angústia nº 9 (4). Para os três primeiros textos de Orion pudemos encontrar textos correspondentes de Lionel. Para o último, o Ditado número 9, percebemos que se trata de um texto totalmente original. A escolha desses Ditados se justifica pelo fato de serem momentos chaves da narrativa. Por outro lado, como há textos aparentados e não aparentados com ditados de Lionel, a amostra nos permite compreender melhor as diferenças de estilo entre Lionel e Orion. Como se verá neste artigo, há importantes diferenças entre o estilo de Lionel, paciente de Bauchau, e o de Orion, personagem de Bauchau. Nota-se, pela análise genética, um processo de transformações criativas operado pelo escritor e que se avoluma ao longo das diversas versões, dando um tom todo original, característico e muito significativo para o modo de falar do personagem inspirado em Lionel.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Caio Leal Messias, Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Departamento de Letras Modernas - Francês

Professor temporário de Literatura Francesa - Letras FFLCH-USP (desde 2019), Doutor em Letras - Departamento de Letras Modernas - Francês (FFLCH-USP) Programa de Pós-Graduação: Estudos Linguísticos, Literários e Tradutológicos em Francês com a Tese: Orion, Personagem de Bauchau: um estudo de crítica genética (2018). Orientação do professor Philippe Willemart. Bacharelado e Licenciatura em Ciências Sociais - FFLCH - USP Bacharel em Direito - USP Mestrando em Direito Internacional - USP

Referências

ALVES, Ieda Maria. A neologia em Guimarães Rosa: subsídios para o estudo da estilística lexical. In: HENRIQUES, Claudio Cezar (org). Estilística e discurso: estudos produtivos sobre texto e expressividade. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011.

AMOUR-MAYEUR, Olivier. Henry Bauchau, une écriture en résistance. Paris: L’Harmattan, 2006.

BAUCHAU, Henry. L'enfant bleu. Arles: Actes Sud: 2004.

BAUCHAU, Henry. L’écriture à l’écoute. Arles: Actes Sud, 2000.

BAUCHAU, Henry. Le présent de l’incertitude – Journal 2002-2005, pág. 171. Arles: Actes Sud, 2007.

BAUCHAU, Henry. Les années difficiles – journal 1972 – 1983. Mayenne: Actes Sud, 2009.

BOULANGER, Christophe; CAPE, Anouck. Lionel, l’enfant bleu d’Henry Bauchau. Arles: Actes Sud, 2012.

CAPE, Anouck. La naissance d’une vocation In: BOULANGER, Christophe; CAPE, Anouck (org.). Lionel, L’enfant bleu d’Henry Bauchau, pág. 105. Arles: Actes Sud | LaM, 2012.

CAPE, Anouck. Quand la “fée-psychose” transforme le pauvre fou en poète. In: L’art brut, une avant garde en moins ? dir. Savine Faupin et Christophe Boulanger, Editions l’Improviste, Paris, 2011.

CRESSOT, Marcel. Le style et ses techniques. Paris: PUF, 1976.

FROMILHAGUE, Catherine; SANCIER-CHATEAU, Anne. Introduction à l’analyse stylistique. Paris: Armand Colin, 2006.

GARDES-TAMINE. La stylistique. Paris: Amand Colin Éditeur, 1992.

GENETTE, Gérard. Figures. Editions du Seuil. Paris: 1966.

GUILBERT, Louis. La créativité lexicale. Paris: Librairie Larousse, 1975.

GUIRAUD, Pierre. La stylistique. Paris: Presses Universitaires de France, 1979.

JAKOBSON, Roman. Essais de linguistique générale. Paris: Ed. de Minuit, 1963.

MARTINS, Nilce Sant’Anna. A linguagem de Grande Sertão: Veredas. In CANIATO, Benilde Justo; MINÉ, Elza. Abrindo caminhos – homenagem a Maria Aparecida Santilli. São Paulo: Gráfica Vida & Consciência, 2002.

MAZALEYRAUT, Jean; MOLINIÉ, Georges. Vocabulaire de la stylistique. Paris: PUF, 1989.

Downloads

Publicado

2022-11-11

Como Citar

Messias, C. L. (2022). A linguagem e o estilo de Orion: análise genética de alguns ditados de angústia do livro L’enfant bleu de Henry Bauchau. Revista Criação & Crítica, 33(33), 158-183. https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.i33p158-183