A conquista do amor-próprio: uma análise em fragmento de um discurso amoroso, o de Niketsche: uma história da poligamia, Paulina Chiziane

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.i33p64-85

Palavras-chave:

Roland Barthes, Figura de linguagem , Linguística da Enunciação, Paulina Chiziane, Discurso amoroso

Resumo

Barthes é um crítico literário que soube empreender uma perspectiva teórica singular sobre a obra literária de seu tempo, contribuindo para ampliar as teorias linguísticas contemporâneas, notadamente a Linguística da Enunciação de Émile Benveniste (Perrone-Moisés, 2012). Nossa hipótese é de que Barthes apresenta uma visão própria da figura de linguagem – expressa explicitamente nos Seminaires (2007) – que impõe à Linguística da Enunciação uma reconceitualização de alguns de seus termos, especialmente enunciação e discurso. Este trabalho apresenta um duplo e entrelaçado objetivo: primeiro, compreender o funcionamento da figura de linguagem na obra de Roland Barthes, em especial em seu Fragmentos de um Discurso Amoroso (1994); segundo, realizar uma leitura figurativa da obra Niketsche: uma história da poligamia, de Paulina Chiziane. Apresentamos uma leitura por figuras-fragmento, subdividida em três constelações, que chamamos de figuras-estrela e figuras-satélite e observamos as relações intertextuais entre essas constelações. Constatamos que a figura-satélite ‘Niketsche da vida’ apresenta grande influência na construção narrativa. Diferentemente do que diz Perrone-Moisés (2012), concluímos que o discurso amoroso que se depreende da narrativa pode ser também um discurso de poder: o de emancipação da mulher diante de uma sociedade poligâmica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Silvana Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutora em Estudos da Linguagem -UFRGS. Docente do Programa de Pós-Graduação em Letras - UFRGS. 

Referências

AZEVEDO, Victor. A experiência flutuante de Paulina Chiziane: exílios internos e escritas de si em “Niketche”. Mulemba. Rio de Janeiro, vol. 8, n. 14, 2014, p. 100-106.

BADIR, Sémir. O valor dos conceitos em Barthes. In: PINO, C. A., BRANDINI, L., BARBOSA, M. (orgs.) Barthes plural. São Paulo: Humanitas, USP, 2018, p. 261-276.

BADIR, Sémir. FRANCK, Thomas. Rhétorique de la négation dans l’oeuvre de Roland Barthes. La negation a l’ouevre dans les textes. Colloques de Cerisy, 22 a 29 de julho de 2019. Disponible sur: <https://cerisy-colloques.fr/negation2019/>.

BARTHES, Roland. Fragmentos de um Discurso amoroso. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1994.

BARTHES, Roland. Le discours amoureux. Séminaire à l’École pratique des hautes études (1974-1976) suive de Fragments d’um discours amoureux: inédits. Paris: Éditions du Seuil, 2007. Ebook kindle.

BENVENISTE, Émile. O aparelho formal da enunciação. In: Problemas de Linguística Geral II. Campinas, SP: 1989, p. 81-92.

CARVALHO, Isaías Francisco de; TIGRE, Maiane Pires. A poética do outro em Niketche: figuras de alteridade na literatura moçambicana. Moara, UFPA, Edição 46 – ago - dez 2016, Estudos Literários, p. 267-286. Disponível em: <https://periodicos.ufpa.br/index.php/moara/article/view/3882>.

CHIZIANE, Paula. Niketche: Uma história de poligamia. São Paulo: Companhia de Bolso, 2021.

DUFOUR, Dany-Robert. Os mistérios da trindade. Rio de Janeiro: Companhia de Freud, 2000.

DURAS, Marguerite. O amante. Rio de Janeiro: O Globo; São Paulo: Folha de São Paulo, 2003.

MARTY, Éric. Sobre Fragmentos de um Discurso Amoroso: Reflexões sobre a imagem. In: O ofício de escrever. Trad. Daniela Cerdeira. Rio de Janeiro: DIFEL, 2009, p. 215-332.

MELLO, Evelyn Caroline; PARO, Maria Clara O Bildungsroman e as várias faces das mulheres em Moçambique: feminismo e multiculturalismo. Letras & Letras, Uberlândia, MG, vol. 31, n. 1, jan-jun.2015.

MESSAGER, Mathieu. Roland Barthes. Collection Que sais-je? Paris: Humensis, 2019.

NORMAND, Claudine. Émile Benveniste: qual semântica? In: Convite à linguística. São Paulo: Contexto, 2009, p. 153-172.

ONO, A. Énonciation: le mot et la notion. In: La notion d’énonciation chez Émile Benveniste. Paris: Limoges, 2007.

PERRONE-MOISÉS, Leyla. Discurso amoroso e discurso de poder. In: Com Roland Barthes. São Paulo: Martins Fontes, 2012, p. 89-94.

PINO, Claudia Amigo. Nem sempre fracassamos ao falar do que amamos. O discurso e a narrativa amorosa de Roland Barthes. Remates de Males. Campinas, SP, 31, 1-2, p. 211-226, jan-dez. 2011.

PINO, Claudia Amigo. The Rethorical Mission: Barthes’s seminars from 1964 to 1969. Barthes Studies, 5 (2019), p. 53-71.

SANTANA, Patrícia Martins dos Santos. O super-homem calcificado no Éden da praça: caminhos da tradição em Niketsche. Uniabeu, vol. 4, n. 6, 2011, p. 83-98. Disponível em: <https://revista.uniabeu.edu.br/index.php/RU/article/view/82/164>.

SHIMBO, Renata Vaz. Niketche: uma performance literária de libertação. Revista do NEPA/UFF, Niterói, v.10, n.21, jul.-dez. 2018, p. 207-219. Disponível em: <https://periodicos.uff.br/revistaabril/article/view/29975>.

SILVA, Fernanda de Oliveira, SALGADO, Maria Teresa. A angústia e a transformação em Niketche: uma história de poligamia, de Paulina Chiziane. Ipotesi, Juiz de Fora, MG, v.23, n.1, p. 133-141, jan./jun. 2019.

SILVA, Eufrida Pereira da. Falar para curar, ouvir para aprender - Niketche: uma história de poligamia, de Paulina Chiziane. Mulemba. Rio de Janeiro, v.1, n. 5, jul/dez 2011, p. 92-107. Disponível em: <https://revistas.ufrj.br/index.php/mulemba/article/view/4882>.

TIGRE, Maiane Pires; SACRAMENTO, Sandra Maria Pereira do. Identidade de gênero em questão: Niketche, de Paulina Chiziane. Litterata. Ilhéus, BA, Vol. 3, n. 2, jan-jul, 2013, p. 89-102. Disponível em: <https://periodicos.uesc.br/index.php/litterata/article/view/855>.

Downloads

Publicado

2022-11-11

Como Citar

Silva, S. (2022). A conquista do amor-próprio: uma análise em fragmento de um discurso amoroso, o de Niketsche: uma história da poligamia, Paulina Chiziane. Revista Criação & Crítica, 33(33), 64-85. https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.i33p64-85