A interpretação literária como ficção: a tensão dialética entre as obras (o caso de Benedito Nunes)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.i33p23-45

Palavras-chave:

Interpretação literária, Ficção, Benedito Nunes, Guimarães Rosa, Grande Sertão: Veredas, Acontecimento poético-apropriativo

Resumo

A interpretação literária, quando compreendida em seu valor radical e ontológico, é espaço de realização do crítico a partir de um acontecimento: o poético. O poético é a força que move o humano para uma relação com as questões que o humanizam. Essa relação pode ser feita de maneira apropriava através da ficção e sua referenciação ao poético. Como a interpretação literária pode vir a se tornar ficção? É a partir deste questionamento (e outros que dele se desdobram) que buscaremos encaminhar este texto. Assim, o presente artigo objetiva refletir sobre como a interpretação literária pode vir a acontecer enquanto uma ficção. Para tanto, procuraremos dialogar com um crítico literário que, em nossas observações, realizou em suas interpretações tal singularização, a saber: Benedito Nunes. Concentrar-nos-emos, aqui, na tensão dialética entre a “interpretação literária-ficcional” de Benedito Nunes ao dialogar com a obra Grande sertão: Veredas, de Guimarães Rosa (2015), visando pensar tal modo de interpretação, a qual se propõe a acontecer na zona liminar do diálogo com as obras e as questões que elas/nelas desvelam.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adonai da Silva de Medeiros, Universidade Federal do Pará

Mestrando em Estudos Literários pelo Programa de Pós-Graduação em Letras (PPGL) da Universidade Federal do Pará (UFPA), com bolsa CAPES, desenvolvendo a pesquisa sobre a travessia do homem humano em Grande sertão: Veredas, de João Guimarães Rosa, enquanto acontecimento poético-apropriativo. Graduado em Letras - Língua Portuguesa pela Universidade do Estado do Pará (UEPA). Atuou como Monitor bolsista pelo Programa de Monitoria (UEPA/CCSE), editas 071/2019 e 051/2018, atuando como Monitor na áres de Estudos literários. Membro integrante do Grupo de Pesquisa Linguagens Artísticas e Estilos Poéticos (LAESP-UEPA) e  Núcleo Interdisciplinar Kairós – Estudos de Poética e Filosofia (NIK/UFPA). 

Antônio Máximo von Söhsten Gomes Ferraz, Universidade Federal do Pará

Docente da Faculdade de Letras e do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal da Pará (UFPA). Doutor em Teoria Literária pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e Mestre em Teoria da Literatura pela Universidade de Brasília (UnB). Coordena o Núcleo Interdisciplinar Kairós – Estudos de Poética e Filosofia, grupo de pesquisa que atua na UFPA, e integra a Rede Poética – Grupo Interinstitucional de Pesquisas em Arte e Filosofia, a qual reúne pesquisadores de várias instituições nacionais de ensino superior. Além de escritor, da docência e da pesquisa, é advogado.

Referências

CARVALHO, Taís S. O pacto da escuta em Grande Ser-Tão: Veredas. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2017.

CASTRO, Manuel A. de. O acontecer poético: a história literária. 2. ed. rev. aum. Rio de Janeiro: Edições Antares, 1982.

CASTRO, Manuel A. de. Pensar. In: CASTRO, Manuel Antônio de et al. Convite ao pensar. Rio de Janeiro: Tempo brasileiro, 2014a. p. 187-188.

CASTRO, Manuel A. de. Poética. In: CASTRO, Manuel Antônio de et al. Convite ao pensar. Rio de Janeiro: Tempo brasileiro, 2014b. p. 200-201.

FAGUNDES, Igor. Interpretar. In: CASTRO, Manuel Antônio de et al. Convite ao pensar. Rio de Janeiro: Tempo brasileiro, 2014. p. 125-126.

FERRAZ, A. M. V. S. G. O homem e a interpretação: da escuta do destino à liberdade. In: Antônio Máximo Ferraz; Manuel Antônio de Castro: Igor Fagundes. (Org.). O Educar Poético. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2014, v. 1, p. 101-135.

HEIDEGGER, M. Aportes a la filosífia: acerca del evento. Trad. Dina Picotti. Buenos Aires: Biblos: Biblioteca Internacional Heidegger, 2003.

HEIDEGGER, M. A Origem da obra de arte. Trad. Idalina Azevedo da Silva e Manuel Antônio de Castro. São Paulo: Edições 70, 2010.

HEIDEGGER, M. O acontecimento apropriativo. Trad. Marco Casanova. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2013.

HEIDEGGER, M. Ser e tempo. Trad. rev. apre. Márcia Sá Cavalcante Schuback. 10. ed. Rio de Janeiro: Editora Vozes; São Paulo: Universidade São Francisco, 2015.

HERÁCLITO. Fragmento 50. In: Os pensadores originários: Anaximandro, Parmênides, Heráclito. 3. ed. Trad. Emmanuel Carneiro Leão e Sérgio Wrublewski. Petrópolis: Editora Vozes, 1999.

LAO-TSÉ. O Livro do Caminho e da Virtude. Trad. Wu Jyn Cherng. s/d. Disponível em: <http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/le000004.pdf>. Acesso em: 19 abr. 2020.

LISPECTOR, Clarice. O que está acontecendo com a literatura brasileira hoje (entrevista concedida a Clarice Lispector). In: NUNES, Benedito. A clave do poético. Org. Victor Sales Pinheiro. São Paulo: Companhia das Letras, 2009. p. 186-193.

LOUREIRO, João de Jesus Paes. Mitopoéticas do imaginário. In: LOUREIRO, João de Jesus Paes. Obras reunidas – vol. 3 teatro e ensaios. São Paulo: Escritura Editora, 2000. p. 317-325.

MARTINS, Max. A asa e a serpente. In: MARTINS, Max. Não para consolar: Poemas reunidos 1952-1992. Belém: CEJUP, 1992a. p. 186-187.

MARTINS, Max. Koan. In: MARTINS, Max. Não para consolar: Poemas reunidos 1952-1992. Belém: CEJUP, 1992b. p. 252-253.

NUNES, Benedito. A destruição da Estética. In: NUNES, Benedito. O dorso do tigre. 2. ed. São Paulo: Editora Perspectiva, 1976.

NUNES, Benedito. Passagem para o poético: filosofia e poesia em Heidegger. 2. ed. São Paulo: Editora Ática, 1992.

NUNES, Benedito. A clave do poético. Org. Victor Sales Pinheiro. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

NUNES, Benedito. Ensaios filosóficos. Org. apre. de Vitor Sales Pinheiro. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010.

NUNES, Benedito. Hermenêutica e poesia: o pensamento poético. 2ª. reimp. Org. Maria José Campos. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.

NUNES, Benedito. A Rosa o que é de Rosa: literatura e filosofia em Guimarães Rosa. Org. Vitor Sales Pinheiro. Rio de Janeiro: DIFEL, 2013.

PINHEIRO, Victor Sales. Apresentação. In: NUNES, Benedito. A Rosa o que é de Rosa: literatura e filosofia em Guimarães Rosa. Victor Sales Pinheiro (Org.). Rio de Janeiro: DIFEL, 2013.

ROSA, João Guimarães. Ave, palavra. Rio de Janeiro: Editora José Olympio, 1970.

ROSA, João Guimarães. Aletria e Hermenêutica. In: ROSA, João Guimarães. Tutaméia: Terceiras estórias. 9. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985. p. 7-17.

ROSA, João Guimarães. Grande sertão: Veredas. 21. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2015.

ROSA, João Guimarães. Diálogo com Guimarães Rosa. s/d. Disponível em: <http://www.elfikurten.com.br/2011/01/dialogo-com-guimaraes-rosa-entrevista.html>. Acesso em 22 de mar. 2020.

Downloads

Publicado

2022-11-11

Como Citar

Medeiros, A. da S. de, & Ferraz, A. M. von S. G. (2022). A interpretação literária como ficção: a tensão dialética entre as obras (o caso de Benedito Nunes). Revista Criação & Crítica, 33(33), 23-45. https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.i33p23-45