O classicismo na história da crítica: teoria e prática

Autores

  • Nabil Araújo Universidade do Estado do Rio de Janeiro
  • Thiago Santana Universidade de Minnesota

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.i33p86-104

Palavras-chave:

crítica, classicismo, tópicos

Resumo

Propomos uma revisão da análise das diferentes tendências do classicismo entre os séculos XVI e XVIII no âmbito da história da crítica. Se, por um lado, o estudo desse período foi caracterizado como “tarefa antiquária” pela proposta historiográfica de René Wellek em razão da semelhança das fontes e princípios que fundamentam a recepção dos textos, argumentamos que a origem textual comum não é capaz de assegurar de modo definitivo as contorções a que a doutrina clássica esteve sujeita. Para demonstrá-lo, examinaremos a relação estabelecida entre os critérios de elaboração e apreciação da poesia, conforme expostas pelos tratados e artes poéticas daquele período, e as autoridades clássicas cujas ideias eles reivindicam, à luz de uma reavaliação da noção aristotélica de tópica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nabil Araújo, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Doutor em Estudos Literários pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Professor de Teoria da Literatura na graduação e na pós-graduação em Letras da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).

Thiago Santana, Universidade de Minnesota

Thiago Nunes Santana é estudante de doutorado na Universidade de Minnesota, mestre em Luso-Brazilian Literatures and Cultures (2022) pela mesma instituição, mestre em Teoria da Literatura e Literatura Comparada (2020) pela Universidade Federal de Minas Gerais e, também por esta, bacharel em Letras/Literaturas Lusófonas (2017). Tem publicado regularmente artigos em periódicos acadêmicos na área de Letras, com particular interesse nas seguintes áreas: Teoria da Literatura, História da Crítica, Classicismo, Literatura Brasileira.

Referências

ARAÚJO, Nabil. Teoria da Literatura e História da Crítica: momentos decisivos. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2020.

ARISTÓTELES. La Poétique d’Aristote traduite en français avec des remarques. Trad. André Dacier. Paris: Barbin, 1692.

ARISTÓTELES. Poética. Tradução de Eudoro de Sousa. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1990.

ARISTÓTELES. Retórica. Tradução de Edson Bini. São Paulo: EdiPRO, 2019.

ARISTÓTELES. Tópicos. Tradução de J. A. Segurado e Campos. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2007.

BRAY, René. La formation de la doctrine classique en France. Paris: Nizet, 1945.

CHARTIER, Roger. Lectures et lecteurs “populaires” de la Renaissance à l’âge classique. In: CAVALLO, Guglielmo; CHARTIER, Roger (org.). Histoire de la lecture dans le monde occidental. 2e ed. Paris: Seuil, 2001.

CURTIUS, Ernest Robert. Literatura europeia e Idade Média latina. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1979.

DACIER, André. “Préface”. In: ARISTÓTELES. La Poétique d’Aristote traduite en français avec des remarques. Paris: Barbin, 1692.

DACIER (Mme.), Anne Lefebvre. Des Causes de la corruption du goût. Paris: Rigaud, 1714.

LE BOSSU, René. Traité du poème épique. Paris: Jean Musier, 1708.

FUMAROLI, Marc. La République des Lettres. Paris: Gallimard, 2015.

HANSEN, João Adolfo. Autor. In: José Luis Jobim (org). Palavras da crítica. Rio de Janeiro: Imago, 1992.

TASSO, Torquato. “Discursos sobre a arte poética e em particular sobre o poema heroico”. In: SILVA Denis Cesar da. Os Discorsi dell’arte poética: tradução e leituras portuguesas. 177 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP. Universidade de São Paulo, São Paulo. 2015.

TERRASSON, Jean. Dissertation critique sur l’Iliade d’Homère. Paris: François Fournier, 1715. 2 v

WELLEK. René. A History of Modern Criticism: 1750-1950. New Haven: Yale University Press, 1955. 4 v.

VIEHWEG, Theodor. Tópica e Jurisprudência. Brasília: Universidade de Brasília, 1979.

ZANIN, Enrica. “Les commentaires modernes de la Poétique d’Aristote”. Études littéraires, v. 43, n. 2, été/2012, p. 55-83.

Downloads

Publicado

2022-11-11

Como Citar

Araújo, N., & Santana, T. . (2022). O classicismo na história da crítica: teoria e prática. Revista Criação & Crítica, 33(33), 86-104. https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.i33p86-104