Autoria, Autoridade: Questões sobre a escrita de mulheres

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.i36p133-155

Palavras-chave:

Autoria, Autoridade, Escrita de Mulheres, Estudos Decoloniais, Crítica Literaria Feminista

Resumo

Autoria, autoridade, autora, feminino, poetisa, são apenas alguns dos vocábulos insuficientes para o desejo de literatura de escritoras de todos os tempos. A língua, esse organismo vivo, urge ser modificada para dar conta da escrita de mulheres ao sul global. Aqui, onde os construtos eurocentrados não alcançam a diversidade de existências, parece pouco aceitar os prêmios de consolação de um cânone sisudo, excludente e branco-hetero-cis-patriarcal. Então se o texto delas pede uma postura diferente da teoria, um empenho do corpo da crítica que vislumbra o estranhamento, este artigo procura escavar algumas concepções a respeito do tema “autoria” para desfazer, desaprender, desrespeitar e a partir daí criar epistemologias à luz de teóricas como María Lugones (2020), Ochy Curiel (2020) e Conceição Evaristo (2019) para compreender a escrita de mulheres. Atendendo ao chamado de Glória Anzaldúa, é preciso que essas mulheres escrevam, em qualquer lugar e tempo, não dá para esperar as condições perfeitas chegarem. É preciso ousar existir. Ao final deste estudo, deixamos que algumas de nossas escritoras se digam em processos de escuta e aprendizado que não se encerram neste artigo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pilar Lago e Lousa, Universidade Estadual de Campinas

Doutroa em Teoria Literária e Crítica Literária pela Unicamp e Mestra em Estudos Literários pela Universidade Federal de Goiás - UFG. Atua nas áreas de Teoria e Crítica Literária; Estudos de Gênero; Estudos Decoloniais; Estudos da Memória; Representação e autorrepresentação de grupos subalternos na literatura. e-mail: pilarbu@gmail.com.

Tarsilla Couto de Brito, Universidade Federal de Goiás

Tarsilla Couto de Brito é professora de Teoria Literária e Ensino de literatura no Departamento de Estudos Literários (DEL) da Faculdade de Letras da Universidade Federal de Goiás (UFG). Mestre e Doutora em Teoria e História Literária pela Universidade Estadual de Campinas (2005, 2013). Realizou pós-doc sobre o feminicídio na literatura brasileira na Universidad de San Andrés (Argentina, 2021). Participa da coordenação do Centro de Formação Maria Firmina dos Reis. Coordena o grupo de estudos Desmundo. É cofundadora do grupo de pesquisa insterinstitucional Crítica e Tradução do Exílio. Estuda a escrita de mulheres no Brasil e na América Latina.

Referências

ANZALDÚA, G. Falando em línguas: uma carta para as mulheres escritoras do terceiro mundo. Tradução de Édna de Marzo. Revista de estudos feministas, ano 8, 2000, pp. 229-236.

CALVINO, Í. Por que ler os clássicos. Tradução de Nilson Moulin. São Paulo: Cia das Letras, 2007.

CARNEIRO, S. Enegrecer o feminismo: a situação da mulher negra na América Latina a partir de uma perspectiva de gênero. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de (Org.). Pensamento feminista: conceitos fundamentais. Rio de Janeiro: Bazar do tempo, 2019, p. 313-321.

CIXOUS, H. O riso da medusa. Trad. Luciana Eleonora de Freitas Calado Deplagne. In: Traduções da cultura – perspectivas críticas feministas (1970-2010). Florianópolis: Editora Mulheres, 2017, pp. 129-155.

CURIEL, O. Construindo metodologias feministas a partir do feminismo decolonial. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de (Org.). Pensamento feminista hoje: perspectivas decoloniais. Vários tradutores. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2020, pp. 141-162.

EVARISTO, C. Escrevivência e seus subtextos. In: DUARTE, Constância Lima; NUNES, Isabella Rosado. Escrevivência: a escrita de nós: reflexões sobre a obra de Conceição Evaristo. Rio de Janeiro: Mina Comunicação e arte, 2021.

FERRANTE, E. As margens e o ditado. Tradução de Marcello Lino. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2023.

GONZALEZ, L. “A mulher negra na sociedade brasileira: uma abordagem político econômica”. In: RODRIGUES, Carla; BORGES, Luciana; RAMOS, Tânia Regina Oliveira (Orgs.). Problemas de gênero. Rio de Janeiro: Funarte, 2016. p. 399-416.

GROSZ, E. Corpos Reconfigurados. Cadernos Pagu, Campinas, n. 14, p. 45-86. 2000. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8635340 . Acesso em: 31 ago. 2017.

HANSEN, J. A. “Autor”. In: JOBIM, José Luís (Org.). Palavras da crítica. Rio de Janeiro: Imago, 1992. pp. 11-37

JESUS, C. M. de. Quarto de despejo. São Paulo: Ed. Ática, 2014.

KAMENSZAIN, T. Garotas em tempos suspensos. Tradução de Paloma Vidal. São Paulo: Círculo de poemas, 2020.

KAMBEBA, M. In: Dorrico, Trudruá (Julie) et al. (Orgs.). Literatura indígena brasileira contemporânea. Porto Alegre: Editora Fi, 2018.

KANT, I. Crítica da faculdade do juízo. Tradução de Valério Rohden e Antônio Marques. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

LUGONES, M. “Colonialidade e gênero”. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de (Org.). Pensamento feminista hoje: perspectivas decoloniais. Vários tradutores. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2020, p. 58-94.

MARTINS, Leda. Performances do tempo espiralar: poéticas do corpo-tela. Rio de Janeiro: Cobogó, 2021.

MIGNOLO, W. Colonialidade: o lado mais escuro da modernidade. Tradução de Marco Oliveira. Revista Brasileira de Ciências Sociais, volume 32, nº 94, jun/2017.

Disponível em:

https://www.scielo.br/j/rbcsoc/a/nKwQNPrx5Zr3yrMjh7tCZVk/?format=pdf&lang=pt . Acesso em 10 maio 2022.

MOIRA, A. E se eu fosse puta. São Paulo: Hoo editora, 2018.

NAVARRO, M. H. “A invenção da América e a questão de gênero” in: Sob o signo do presente (Org.) Rita Terezinha Schmidt. Porto Alegre: Editora da UFGRS, 2010. pp. 87-104.

PAZ, O. Os filhos do barro. Tradução de Ari Roitman e Paulina Wacht. São Paulo: Cosac Naif, 2013.

POTIGUARA, E. Metade cara, metade máscara. Rio de Janeiro: Grumin, 2018.

SCHILLER, F. Poesia ingênua e sentimental. Tradução de Márcio Suzuki. São Paulo: Iluminuras, 1991.

TELLES, N. Autor+a in: José Luís (Org.). Palavras da crítica. Rio de Janeiro: Imago, 1992. pp.45-61.

Downloads

Publicado

2023-10-26

Como Citar

Lousa, P. L. e, & Brito, T. C. de . (2023). Autoria, Autoridade: Questões sobre a escrita de mulheres. Revista Criação & Crítica, (36), 133-155. https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.i36p133-155