A DIFERENÇA E A LOUCURA EM O VENTO ASSOBIANDO NAS GRUAS, DE LÍDIA JORGE, E JERUSALÉM, DE GONÇALO M. TAVARES

Autores

  • Juliana Florentino Hampel Universidade de São Paulo - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas - Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.v0i13p42-54

Palavras-chave:

(inter)discurso, loucura, razão, verdade, enunciação

Resumo

A proposta deste artigo é apresentar uma análise comparativa de dois romances portugueses contemporâneos: O vento assobiando nas gruas, de Lídia Jorge, e Jerusalém, de Gonçalo M. Tavares analisando o ponto temático comum entre os autores, qual seja: o da formação discursiva por parte de indivíduos considerados doentes mentais e o interdiscurso existente entre eles, responsável pela criação de uma verdade, e os dos normatizadores, que os interpelam, invalidando-os. Ancorados nas teorias foucaultianas que tratam do rompimento entre a linguagem comum que havia entre a Razão e a Loucura, ocorrido a partir do século XVII, analisaremos como o tema retrata os conflitos prementes da contemporaneidade, e de que modo está sendo abordado pelos dois escritores. As obras escolhidas apresentam o discurso de personagens diagnosticadas com diferentes graus de loucura, que buscam elos perdidos com o mundo a seu redor por meio de dificultosos processos de enunciação provenientes de seres obsessivos, dementes e fantasiosos, nos quais a diferença é apontada como característica principal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliana Florentino Hampel, Universidade de São Paulo - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas - Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas

Sou graduada em Letras-Português pela Universidade de São Paulo, Mestre em Letras (Literatura Portuguesa) pela mesma universidade e curso o Doutorado na mesma instituição.

Referências

BAKHTIN, Mikhail. Marxismo e filosofia da linguagem. 12ª Ed., São Paulo: Hucitec, 2006.

BAUMAN, Zygmunt. O mal-estar na pós-modernidade. Trad. Mauro Gama e Cláudia Martinelli Gama. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.,1998.

CANGUILHEM, Georges. O normal e o patológico. Trad. Maria Thereza Redig de Carvalho Barrocas. 6ª ed., Rio de Janeiro: Editora Forense Universitária, 2009.

COSTA, Jurandir Freire. “Não mais, não ainda: a palavra na democracia e na psicanálise”. In: Revista USP, no. 37, São Paulo, mar/mai,1998, p. 108- 119.

KELM, Miriam Denise. “A identidade e a história portuguesa: duas constantes revisitadas na obra de Lídia Jorge”. In: Revista Letras, v. 22, n. 45, p. 147-163, jul./dez. 2012. Disponível em: http://w3.ufsm.br/revistaletras/artigos_r45/artigo_9.pdf. Acesso em: 01 abr. 2014.

LIMA, Isabel Pires de. “Palavra e identidade(s) em Lídia Jorge. Vinte anos de caminho”. In: Literatura / Política / Cultura (1994-2004). Belo Horizonte: Editora UFMG, 2005, p. 57-70.

MOUTINHO, Isabel. “Nós e os outros: O vento assobiando nas gruas da pós-colonialidade portuguesa”. In: PETROV, Petar (org.). O romance português pós-25 de Abril. Lisboa: Roma Editora, 2005.

FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas. Trad. de Salma Tannus Muchail. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

FOUCAULT, Michel. Doença mental e psicologia. Trad. Lilian Rose Shalders. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1975.

FOUCAULT, Michel. “Estruturalismo e pós-estruturalismo”. In: Ditos e escritos. Problematização do sujeito: psicologia, psiquiatria e psicanálise. MOTTA, Manoel Barros da (Org.). Tradução de Vera Lúcia Avelar Ribeiro. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1999. v. 1.

FOUCAULT, Michel. História da loucura. Na Idade clássica. Trad. de José Teixeira Coelho Neto. 9ª ed. São Paulo: Perspectiva, 2012.

FOUCAULT, M., “Prefácio (Folie et Déraison)”. In: Ditos e escritos. Problematização do sujeito: psicologia, psiquiatria e psicanálise. MOTTA, Manoel Barros da (Org.). Trad. de Vera Lúcia Avelar Ribeiro. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1999. v. 1.

JORGE, Lídia. O vento assobiando nas gruas. 4ª ed. Lisboa: Dom Quixote, 2002.

PELBART, Peter Pál. Da clausura do fora ao fora da clausura. Loucura e desrazão. São Paulo: Brasiliense, 1989.

PUTTINI, Rodolfo Franco; PEREIRA JÚNIOR, Alfredo. “Além do mecanicismo e do vitalismo: a ‘normatividade da vida’ em Georges Canguilhem”. In: Phisis – Revista de Saúde Coletiva. Physis vol.17 no.3 Rio de Janeiro 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-73312007000300003. Acesso em: 05 jun. 2014.

TAVARES, Gonçalo M. Jerusalém. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

ZILLI, Therezinha de Lourdes Coelho. Ruínas da memória: uma arqueologia da narrativa O jardim sem limites. São Paulo: Hucitec, 2004.

Downloads

Publicado

2014-12-12

Como Citar

Hampel, J. F. (2014). A DIFERENÇA E A LOUCURA EM O VENTO ASSOBIANDO NAS GRUAS, DE LÍDIA JORGE, E JERUSALÉM, DE GONÇALO M. TAVARES. Revista Criação & Crítica, (13), 42-54. https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.v0i13p42-54

Edição

Seção

Artigos