Narrativa e experiência histórica nos romances de autoras negras brasileiras

silêncios prescritos

Autores

  • Fernanda Rodrigues Miranda Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-7169.crioula.2019.156225

Palavras-chave:

Maria Firmina dos Reis, Romance, Identidade nacional, Experiência histórica negra, Autoria negra brasileira

Resumo

Na primeira parte deste artigo discute-se a condição minoritária do gênero romance dentro da produção literária de autoria negra brasileira, dado que constitui um problema de amplas dimensões, principalmente pensando na tradição nacional estabelecida em torno desse gênero historicamente reivindicado na construção da identidade da nação. No segundo momento do texto, adentra-se propriamente a questão da forma romance frente à representação da experiência histórica nacional narrada sobre a exclusão do sujeito negro. Por fim, destaco a obra pioneira da romancista negra Maria Firmina dos Reis, pensando Úrsula como um romance de fundação oitocentista, cujo paradigma discursivo está em circulação – conforme se nota nos romances de autoras negras brasileiras publicados nos séculos XX e XXI.



Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2019-08-03

Como Citar

Miranda, F. R. (2019). Narrativa e experiência histórica nos romances de autoras negras brasileiras: silêncios prescritos. Revista Crioula, 1(23), 214-230. https://doi.org/10.11606/issn.1981-7169.crioula.2019.156225

Edição

Seção

Dossiê 23: A experiência étnico-racial nas literaturas de língua portuguesa