Colonialismo e Libertação

Tensões raciais em A geração da Utopia de Pepetela

  • Matheus Vieira dos Santos Pós-graduação da fflch-usp
Palavras-chave: Racismo, Violência, Relações coloniais, Luta de Libertação nacional, Pepetela

Resumo

O colonizador cria e mantém a prática racista para justificar sua dominação, formando um mundo dual cujos polos se invertem na luta de Libertação nacional. Estas tensões raciais, diferentes entre os colonizados e colonizadores, estão presentes na narrativa A geração da Utopia de Pepetela. Nesta obra, vemos, por um lado, personagens negras sofrendo racismo dos portugueses; e, por outro, Sara, uma das protagonistas, sendo alvo da desconfiança dos companheiros negros do movimento libertário.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BALIBAR, Étienne; WALLERSTEIN, Immanuel. Race, nation, classe: Les identités ambigües. Paris: La découverte; Syros, 1997.
FANON, Frantz. Les damnés de la terre. Paris: La découverte, 2003.
_____________. Peau noire, masques blancs. Paris: Éditions du Seuil, 2013.
MEMMI, Albert. Portrait du colonisé précédé de Portrait du colonisateur. Paris: Galli-mard, 2002.
PEPETELA. A geração da utopia. São Paulo: LeYa, 2013a.
_________. Mayombe. São Paulo: LeYa, 2013b.
Publicado
2019-08-03
Como Citar
dos Santos, M. (2019). Colonialismo e Libertação. Revista Crioula, 1(23), 93-99. https://doi.org/10.11606/issn.1981-7169.crioula.2019.156291
Seção
Dossiê 23: A experiência étnico-racial nas literaturas de língua portuguesa