Violência, criminalização e genocídio em Capão Pecado

  • Clarissa Damasceno Melo UESC

Resumo

No presente trabalho, analisamos o romance Capão Pecado (2000), de Ferréz, pontuando a representação que faz do negro e sua inscrição em romances que (re) pensam a favela e seus problemas, dentre eles, a política de drogas. Para tal, em um primeiro momento, abordaremos as distinções entre a literatura sobre o negro e a literatura do negro, no contexto nacional de apagamento da cultura negra e marginalização da periferia, trazendo para o centro do debate o processo de atualização do discurso colonizador de domínio e genocídio da população pobre e negra. Posteriormente, discutimos as implicações entre discurso jurídico e controle social, por meio das quais institucionaliza-se a seletividade punitiva e o genocídio da juventude pobre e negra, passando à análise propriamente do romance. Como conclusão, entende-se que essa obra literária permite afirmar que a guerra às drogas tem se traduzido em uma guerra aos pobres e, ao longo dos anos, transformou-se em genocídio negro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARFUCH, Leonor. O espaço biográfico: Dilemas da subjetividade contemporânea. Rio de Janeiro: Ed. UERJ, 2010.

COSTA, Breno; CHAVES, Reinaldo; POTTER, Hyury. O lucrativo exército de segurança privada comandado por militares, milicianos e amigos de Eduardo Cunha. Disponível em < https://theintercept.com/2018/07/16/o-lucrativo-exercito-de-seguranca-privada-comandado-por-militares-milicianos-e-amigos-de-eduardo-cunha-no-rio/ >. Acesso em 26 de Jul. de 2018

DALCASTAGNÈ, Regina. A auto representação de grupos marginalizados: tensões e estratégias na narrativa contemporânea. Disponível em < http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fale/article/viewFile/4110/3112 >. Acesso em: 13 de Jul. de 2018.

FERRÉZ. Capão Pecado. São Paulo: Labortexto, 2000.

GOTO, Mattheus. Anvisa libera uso de agrotóxicos que podem causar danos graves ao sistema nervoso. Disponível em: < http://thegreenestpost.com/anvisa-libera-o-uso-de-agrotoxico-que-pode-causar-danos-graves-ao-sistema-nervoso/>. Acesso em 15 jul. 2018.

GRACIANO, Mateus. Cidade de Deus História Real – o que há por trás da origem da CDD. Disponível em . Acesso em: 15 de Dez de 2018.

NASCIMENTO, Érica Peçanha. Literatura Marginal: os escritores da periferia entram em cena. 2006. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Universidade de São Paulo, São Paulo.

PROENÇA FILHO, D. A trajetória do negro na literatura brasileira. Disponível em < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142004000100017> Acesso em 16 jul. 2018.

SAID, E. Cultura e imperialismo. Disponível em: < http://dynamicon.com.br/wp-content/uploads/2017/02/Cultura-e-Imperialismo-de-Edward-Said.pdf >. Acesso em: 15 de Jul. de 2018.

ZACCONE, Orlando. Acionistas do nada: quem são os traficantes de droga. Rio de Janeiro: Revan, 2007.

ZAFFARONI, E; BATISTA, N. Direito penal brasileiro. Rio de Janeiro: Revan, 2003.

ZALUAR, Alba; FREITAS, Luiz Alberto Pinheiro. Cidade de Deus: A história de Ailton Batata, o sobrevivente. Rio de Janeiro: FGV, 2017.
Publicado
2019-08-03
Como Citar
Melo, C. (2019). Violência, criminalização e genocídio em Capão Pecado. Revista Crioula, 1(23), 279-300. https://doi.org/10.11606/issn.1981-7169.crioula.2019.156293
Seção
Dossiê 23: A experiência étnico-racial nas literaturas de língua portuguesa