Gritos insurgentes em carne viva e hashtag

#Paremdenosmatar e o escrever contra o genocídio do negro brasileiro

  • Jânderson Albino Coswosk Instituto Federal do Espírito Santo
Palavras-chave: Genocídio do negro brasileiro, Necropolítica, Corpo negro, Racismo

Resumo

O ensaio percebe algumas crônicas do livro #Paremdenosmatar, de Cidinha da Silva, como textos-denúncia do genocídio do negro no Brasil contemporâneo. Evidencia-se de que maneira as crônicas encenam o estabelecimento de uma necropolítica em torno do corpo negro e de que modo ocorre o seu aniquilamento físico e simbólico. O ensaio também exibe a construção de uma “poética de vida” nas crônicas, capaz de criar espaços ficcionais de resistência da população afro-brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jânderson Albino Coswosk, Instituto Federal do Espírito Santo

Doutorando em Literaturas de Língua Inglesa pela UERJ e Professor de Língua Inglesa do Instituto Federal do Espírito Santo

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Homo Sacer: O poder saberano e a vida nua I. Tradução de Hcnrique Burigo. Belo IIorizonte: Editora UFMG, 2002.

FERNANDES, Florestan. Prefácion. In: NASCIMENTO, Abdias do. O genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo mascarado. São Paulo: Perspectiva, [1978] 2016, p. 19-22.

FERREIRA, Luís Carlos. Livro #Paremdenosmatar evidencia genocídio da população negra. Revista Fórum, Porto Alegre, 6 jan. 2017. Disponível em: . Acesso em: 27 mar. 2018.

FRANCO, Marielle (@mariellefranco). “Mais um homicídio de um jovem que pode estar entrando para a conta da PM. Matheus Melo estava saindo da igreja. Quantos mais vão precisar morrer para que essa guerra acabe?”. 13 de março de 2018, 11h38min. Tweet. Disponível em: https://twitter.com/mariellefranco/status/973568966-40373145-6. Acesso em 13 mar. 2019.

GUATTARI, F. CAOSMOSE: Um Novo Paradigma Estético. Trad. Ana Lúcia
Oliveira; Lúcia Cláudia Leão. São Paulo: Editora 34, 2006.

NASCIMENTO, Abdias do. O genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo mascarado. São Paulo: Perspectiva, [1978] 2016.

SILVA, Cidinha da. Letramento racial – Pílula 1. Geledés, São Paulo-SP, 2014. Disponível em: . Acesso em 12 mar. 2019.

______. #Parem de nos matar!. São Paulo: Ijumaa, 2016a.

______. “#Parem de nos matar” tem lançamento em Salvador na terça-feira (06). Correio Nagô, Salvador-BA, 2016b. Entrevista concedida ao Correio Nagô. Disponível em: . Acesso em 12 mar. 2019.

SOYINKA, Wole. Prefácio à edição nigeriana. In: NASCIMENTO, Abdias do. O genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo mascarado. São Paulo: Perspectiva, [1978] 2016, p. 23-24.
Publicado
2019-08-03
Como Citar
Coswosk, J. (2019). Gritos insurgentes em carne viva e hashtag. Revista Crioula, 1(23), 154-166. https://doi.org/10.11606/issn.1981-7169.crioula.2019.156316
Seção
Dossiê 23: A experiência étnico-racial nas literaturas de língua portuguesa