O "Caindumbo"

colonialismo, trabalho e racismo em Brancos e negros, de Guilhermina Azeredo

  • Luiz Fernando de França Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA)
Palavras-chave: Trabalho, Racismo, Colono

Resumo

Neste artigo analiso a formalização das relações de trabalho e do racismo em um livro de contos da chamada “literatura colonial” publicado em 1956: Brancos e negros, de Guilhermina de Azeredo. O objetivo é demonstrar que, ancorada no programa do colonizador, a obra formaliza relações hierarquizadas de trabalho, nas quais o colono branco – o “Caindumbo” – é superiorizado e o trabalhador negro, invisibilizado e subalternizado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Fernando de França, Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA)

Possui graduação em Letras pela Universidade do Estado de Mato Grosso - UNEMAT (2002), mestrado em Estudos de Linguagem pela Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT (2006), e doutorado em Letras pela Universidade de São Paulo - USP (2018). Atualmente é professor efetivo da Universidade Federal do Oeste do Pará - UFOPA. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Estudos Literários, atuando principalmente nos seguintes temas: 1) ?literatura e sociedade? nos países africanos de língua portuguesa e em textos poéticos e narrativos das literaturas afro-brasileira e afro-amazônica, assim como diálogos temáticos ou estruturais entre as literaturas de língua portuguesa, com ênfase nas relações literárias entre Brasil e África; 2) "relações étnico-raciais" na literatura brasileira e em textos das literaturas infantil e juvenil, bem como a presença de discursos racistas e/ou antirracistas em obras literárias e em livros didáticos; 3) africanidades da cultura brasileira e amazônica, como também o ensino de literatura e cultura africana, afro-brasileira e afro-amazônica na escola; 4) manifestações culturais e literárias de "comunidades remanescentes de quilombos" da região amazônica e Educação Escolar Quilombola.

Referências

ACHEBE, Chinua. A educação de uma criança sob o protetorado britânico. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.
AZEREDO, Guilhermina de. Brancos e negros. Agencia Geral do Ultramar/Divisão de Publicações e Biblioteca, 1956.
CASTELO, Claudia. “O branco do mato de Lisboa”: a colonização agrícola dirigida e os seus fantasmas. In:_. (org). Os Outros da colonização: ensaios sobre colonialismo tardio em Moçambique. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2012.
CHAVES, Rita. Angola e Moçambique: experiência colonial e territórios literários. São Paulo: Ateliê Editorial, 2005.
FANON, Frantz. Os condenados da terra. Juiz de Fora: Ed. EFJR, 2005.
FERREIRA, Manuel. Literaturas africanas de expressão portuguesa. São Paulo: Ática, 1987.
FRANÇA, Luiz Fernando de. “Uns contos iguais a muitos”: estórias africanas, relações de trabalho e estrutura narrativa no contexto colonial angolano e moçambicano (décadas de 50/60) [Tese de Doutorado], Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.
MACEDO, Tania. “O império colonial português e sua retórica”. In: ABDALA JR, Benjamin e ROCHA E SILVA, Rejane Vecchia. Literatura e memória política: Angola, Brasil, Moçambique, Portugal. São Paulo: Ateliê Editorial, 2015.
NOA, Francisco. Império, mito e miopia. São Paulo: Kapulana, 2015.
_____”Literatura colonial em Moçambique: o paradigma submerso”. Revista Via Atlântica nº3, DLCV/USP, São Paulo, 1999.
PADILHA, Laura. Novos pactos, outras ficções: ensaios sobre literaturas afro-luso-brasileiras. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2002.
SAID. Edward W. Cultura e imperialismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.
THOMAZ, Omar Ribeiro. Ecos do Atlântico Sul: representações sobre o terceiro império português. Rio de Janeiro: Editora UFRJ/Fapesp, 2002.
TOPA, Francisco. “Colonial ou Luso-angolana: o interesse da reedição da olha de Guilhermina de Azeredo”. In: Crítica textual e crítica genética em Diálogo – Coloquio Internacional: Porto, 18-20 de outubro de 2007: actas, Vol. I, Müchen, Martin Meidenbauer, 2010.
TRIGO, Salvato. “Literatura Colonial/Literaturas Africanas”. In: Literaturas africanas de língua portuguesa. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1987.
Publicado
2019-08-03
Como Citar
França, L. (2019). O "Caindumbo". Revista Crioula, 1(23), 249-261. https://doi.org/10.11606/issn.1981-7169.crioula.2019.157984
Seção
Dossiê 23: A experiência étnico-racial nas literaturas de língua portuguesa