Digital X Digitalizado: análise do projeto "ENIGMA", do site Literatura Digital

  • Alice A. Matsuda Universidade Tecnológica Federal do Paraná
  • Edna G. Chimenes Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Palavras-chave: Literatura eletrônica, Tecnologia digital, Ciberespaço

Resumo

Com a tecnologia digital são proporcionados novos gêneros discursivos e, com isso, criam-se diferentes percursos para a atividade de leitura das obras, partindo do uso dessas novas ferramentas. Este artigo apresenta um cenário da evolução das obras impressas para o digital, trazendo algumas considerações e definições, que possibilitam compreender melhor a estrutura da literatura eletrônica que encontramos, hoje, no meio cibernético. Além disso, são mostradas algumas características da literatura eletrônica, que servirão de base para a posterior análise proposta aqui. Em seguida, após embasamento teórico, foi analisado o projeto “Enigma”, de autoria de Tainá Camila dos Santos do site “Literatura Eletrônica”, organizado por Marcelo Spalding, pontuando, de forma qualitativa, as características e ferramentas utilizadas na construção desta obra e como elas podem atuar e auxiliar o leitor, ampliando as possibilidades de leitura e construção textual, além de enfatizar a atividade literária que é proposta no texto. Esta reflexão considera que diferentes obras fazem o uso de determinados elementos, de acordo com o objetivo que é traçado para cada uma. Constatou-se que, neste projeto, há uma quebra na construção de paradigmas e modelos da literatura impressa, com a oferta de estímulos variados, que são incorporados ao longo do enredo (imagens, sons, interatividade, quebra de linearidade etc., incorporados à linguagem escrita).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alice A. Matsuda, Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Possui Graduação em Letras Anglo Portuguesas e Especialização em Letras-Literatura Brasileira pela Universidade Estadual de Londrina, Mestrado em Letras - Literatura e Ensino - pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2001) e Doutorado em Letras - Estudos Literários - pela Universidade Estadual de Londrina (2009). Em junho/2018 finalizou Estágio Pós-Doutoral na Universidade de Coimbra, com auxílio Capes, integrando o Grupo de Investigação Mediação Digital e Materialidades da Literatura. É professor titular, Associado 1, da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Campus Curitiba. Docente Permanente do Programa de Pós-Graduação em Estudos de Linguagens (PPGEL). É líder do Grupo de Pesquisa LITERATURA INFANTIL E JUVENIL: ANÁLISE LITERÁRIA E FORMAÇÃO DO LEITOR (UTFPR). Participa também como membro do GT LEITURA E LITERATURA INFANTIL E JUVENIL, da ANPOLL; dos Grupos de Pesquisas RELER - Grupo Interinstitucional de Pesquisa em Leitura (PUC - Rio); Discursos sobre Trabalho, Tecnologia e Identidades (UTFPR/PPGTE) e do Grupo de Pesquisa Literatura e Cultura Contemporânea (ULBRA). Tem experiência nas áreas de Letras e de Jornalismo com ênfase em Literatura Infantil e Juvenil, Metodologia e Prática de ensino de Língua Portuguesa e de Literatura, Educomunicação, atuando principalmente nos seguintes temas: Literatura infantil e juvenil, Lygia Bojunga Nunes, leitura e literatura na escola, literariedade e formação do leitor - Método Recepcional, metodologia e prática de ensino de Língua Portuguesa e de Literatura, análise literária, literatura brasileira e literatura e mídia na escola. Contato: alicem@utfpr.edu.br
Edna G. Chimenes, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Mestranda no PPG em Estudos de Linguagens, da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, linha de pesquisa: Estéticas Contemporâneas, Modernidade e Tecnologia. Possui graduação em Letras - Português e Espanhol pela Universidade Federal do Paraná (2005) e graduação em Pedagogia pela Universidade Federal do Paraná (2010). Atualmente é professor ensino superior I do Centro Universitário Internacional e tutor acadêmico do Centro Universitário Internacional. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Língua Portuguesa, atuando principalmente nos seguintes temas: ferramentas da qualidade, vantagens e planejamento.

Referências

CANCLINI, N. G. Culturas Híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. Trad. Heloísa Pezza Cintrão, Ana Regina Lessa. 4. ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2015.

DINIZ, Thaïs F. N (org). Intermidialidade e estudos interartes: desafios da arte contemporânea. Belo Horizonte: Rona Editora FALE/UFMG, 2012.

HAYLES, N. K. Literatura Eletrônica: novos horizontes para o literário. Trad. Luciana Lhullier e Ricardo Moura. 1. ed. São Paulo: Global – Fundação Universidade de Passo Fundo, 2009.

LÉVY, P. A Máquina Universo: criação, cognição e cultura informática. Trad. Bruno Charles Magne. Porto Alegre: ArtMed, 1998.

LÉVY, P. Paulo Neves (trad.). O que é o virtual?. São Paulo: Ed. 34, 1996. .

Literatura Digital. Disponível em: http://www.literaturadigital.com.br/. Acesso em: 16 de jul. de 2019.

PORTELA, M. Hipertexto como Metalivro. Disponível em: https://web.archive.org/web/20110127193923/http://www.ciberscopio.net/artigos/tema2/clit_05.pdf. Acesso em: 20 jul. 2019.

RAJEWSKY, I. O. Intermidialidade, intertextualidade e “remediação”: uma perspectiva literária sobre a intermidialidade. In: DINIZ, T. F. N. (Org.). Intermidialidade e estudos interartes: desafios da arte contemporânea. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2012.

SANTAELLA, L. Navegar no ciberespaço: o perfil cognitivo do leitor imersivo. São Paulo: Paulus, 2004.

ZILBERMAN, R. A literatura infantil na escola. 9. ed. São Paulo: Global, 1994.

Publicado
2020-07-27
Como Citar
Matsuda, A. A., & Chimenes, E. G. (2020). Digital X Digitalizado: análise do projeto "ENIGMA", do site Literatura Digital. Revista Crioula, (25), 188-202. https://doi.org/10.11606/issn.1981-7169.crioula.2020.170231
Seção
Dossiê 25: Literaturas de língua portuguesa para crianças e jovens