Protagonismos em torno da obra Diário de bordo do Almirante Negro, de Elisabete Nascimento

Autores

  • Fernanda Oliveira da Silva Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-7169.crioula.2020.170488

Palavras-chave:

Literatura afro-brasileira infantojuvenil, Protagonismo negro, Protagonismo negro feminino, Resistência

Resumo

O presente artigo tem como objetivo apontar a relevância do papel da literatura afro-brasileira para o público infantojuvenil e os protagonismos que a obra Diário de bordo do Almirante Negro, de Elisabete Nascimento pode promover. A partir dos possíveis diálogos com as contribuições teóricas de Spivak, Djamila Ribeiro e María Lugones, apresentamos as distintas formas de resistência encontradas na obra, considerando a perspectiva de ressignificação dos estereótipos negativos sobre o corpo negro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Oliveira da Silva, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Mestranda em Literaturas Africanas pela UFRJ e pesquisadora bolsista peloprograma Bolsa Nota 10 da FAPERJ.

Referências

ADICHIE, Chimamanda Ngozi O perigo de uma história única. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

AKOTIRENE, Carla. Interseccionalidade. São Paulo: Pólen, 2019.

CANDIDO, Antonio. O direito à literatura. 4. ed. São Paulo: Duas Cidades, 2004.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: história da violência nas prisões, 15. ed. Tradução Raquel Ramalhete. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

GILBERT, Sandra; GUBAR, Susan. Infecção na sentença: a escritora e a ansiedade de autoria. In: Traduções da cultura – Perspectivas críticas feministas (1970-2010). Izabel Brandão, Ildney Cavalcanti, Claudia de Lima Costa, Ana Cecília Acioli Lima (Organizadoras). Florianópolis: EDUFAL; Editora da UFSC, 2017.

JOVINO, I. da S. Literatura Infanto-juvenil com personagens negros no Brasil. In: SOUZA, F; LIMA, M. N. (Org). Literatura Afro-brasileira. Salvador: Centro de estudos afroorientais; Brasília: Fundação Cultural Palmares, 2006.

LUGONES, María. Rumo a um feminismo decolonial. In: Pensamentos feministas: conceitos fundamentais. Org. Heloisa Buarque de Hollanda. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2019.

MARIOSA, G. S.; REIS, M. G. A influência da literatura infantil afro-brasileira na construção das identidades das crianças. Est. Literária, v. 8, p. 42-53, dez./2011.

MUNANGA, Kabengele. O negro no Brasil de hoje. Kabengele Munanga, Nilma Lino Gomes. São Paulo: Global, 2006.

NASCIMENTO, Elisabete. Diário de bordo do almirante negro. 1. ed. Rio de Janeiro: MR Bens, 2011.

NASCIMENTO, Elisabete. Luiza e Babi e o Mistério do Lago de Onira. 1. ed. Rio de Janeiro: Mozerart Edições, 2018.

NETO, José Miguel Arias. João Cândido 1910-1968: arqueologia de um depoimento sobre a Revolta dos Marinheiros. História Oral da ABHO, Rio de Janeiro, jun. 2003, p. 159-85. Disponível em: https://revista.historiaoral.org.br/index.php?journal=rho&page=article&op=view&path%5B%5D=70&path%5B%5D=62. Acesso em: 15 dez. 2019.

SILVEIRA, Renato da. O candomblé da Barroquinha: processo de constituição do primeiro terreiro baiano de keto. Salvador: Maianga Edições, 2006.

SPIVAK, Gayatri C. Pode o subalterno falar?. Belo Horizonte: UFMG, 2010.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala?. Belo Horizonte: Letramento: Justificando, 2017.

Entrevista sobre João Cândido concedida ao programa Ciências e Letras do Canal Saúde em parceria com a Fio Cruz. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=h2uVssgiDGA&t=600s. Acesso em: 20 dez. 2019.

Downloads

Publicado

2020-08-31

Como Citar

Silva, F. O. da. (2020). Protagonismos em torno da obra Diário de bordo do Almirante Negro, de Elisabete Nascimento. Revista Crioula, (25), 344 - 355. https://doi.org/10.11606/issn.1981-7169.crioula.2020.170488

Edição

Seção

Dossiê 25: Literaturas de língua portuguesa para crianças e jovens