Tudo junto e misturado

aproximações entre Guimarães Rosa e Milton Nascimento

Autores

  • Vinícius José Fecchio Gueraldo USP/ egresso

Palavras-chave:

João Guimarães Rosa, Milton Nascimento, Forma interna, Crítica materialista, Modernização conservadora

Resumo

Guimarães Rosa e Milton Nascimento são artistas intimamente ligados a Minas Gerais. Propõe-se aqui uma comparação entre as suas obras, não tanto pelo tema, mas pela lei estética que as organizam, aquilo que Walter Benjamin chamou de forma interna, que são muito semelhantes em seu teor. Dessa aproximação, buscar-se-á pensar as similaridades e as diferenças entre as produções e, por conseguinte, a maneira como essas leem as contradições da nossa chamada modernização conservada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADORNO, Theodor W. Filosofia da nova música. Trad. Magda França. São Paulo: Perspectiva, 2009.

ARRIGUCCI JR., Davi. O mundo misturado: romance e experiência em Guimarães Rosa. In: Novos estudos CEBRAP, São Paulo (40): 7-29, nov. 1994. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/4457413/mod_resource/content/1/Davi%20Arrigucci%20-%20O%20mundo%20misturado.pdf. Acesso em: 5 nov.2020.

BENJAMIN, Walter. Dois poemas de Friederich Hölderlin. In: Escritos sobre mito e linguagem. Trad. Susana kampff Lages e Ernani Chaves. São Paulo: Duas Cidades/Ed. 34, 2011. p. 13-48.

_______________. Linguagem, tradução, literatura. Trad. João Barrento. Belo Horizonte: Authêntica, 2018.

BERGAMIN, Cecília de Aguiar. Dansadamente: a unidade do Corpo de Baile de João Guimarães Rosa. Dissertação de mestrado (Literatura brasileira). São Paulo: USP, 2008.

BOLLIE, Willie. Grandesertão.br: o romance de formação do Brasil. São Paulo: Ed. 34, 2004.

CANDIDO, Antonio. O homem dos avessos. In: Tese e Antítese. 4° ed. São Paulo: T.A. Queiroz, 2002.

CHASIN, José. A miséria brasileira: 1964-1994 – do golpe à crise social. Santo André: Ad Hominem, 2000.

DINIZ, Sheyla Castro, “Nuvem cigana”: a trajetória do Clube de Esquina no campo da MPB. Dissertação de mestrado (Sociologia), Campinas: UNICAMP, 2012.

GARCIA, Luiz Henrique Assis. Na esquina do mundo: trocas culturais na música popular brasileira através da obra do Clube da Esquina (1960-1980). Tese de doutorado (História), Minas Gerais: UFMG, 2006.

GARCIA, Walter. Bim bom: a contradição sem conflitos de João Gilberto. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

GUMÍ, Albert. Sakapatú: un viaje por la música andina. Barcelona: Fundación “la Caixa”, 2005.

HERZHAFT, Gérard. Blues. Trad. de Nícia Adan Bonatti. Campinas: Papirus, 1989.

HOBSBAWM, Eric J. História social do jazz. Trad. de Angela Noronha. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1990.

LUKÁCS, Georg. A teoria do romance: um ensaio histórico-filosófico sobre as formas da grande épica. Trad. José Marcos Mariani de Macedo. São Paulo: Duas cidades/Ed. 34, 2000.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política. Livro Primeiro. Tomo II. Trad. de Regis Barbosa e Flávio R. Kothe. 3° ed. São Paulo: Nova Cultural, 1985.

MENEZES JÚNIOR, Carlos Roberto Ferreira de. Os elementos composicionais do Clube da Esquina como alimentadores de processos criativos de arranjos vocais de canções populares brasileiras. Tese de doutorado (música). São Paulo: USP, 2016.

MOLINA, Sérgio A. A composição de música popular cantada: a construção de sonoridades e a montagem dos álbuns no pós-década de 1960. Tese de Doutorado (Música). São Paulo: USP, 2015.

NASCIMENTO, Milton. Milton Nascimento. Codil, 1967 (relançado pela Som Livre com o título de Travessia, em 1978).

___________________. Milton Nascimento. EMI-Odeon, 1969.

___________________. Milton. EMI-Odeon, 1970.

___________________. Minas. EMI-Odeon, 1975

___________________. Geraes. EMI-Odeon, 1976

NASCIMENTO, Milton; BORGES, Lô. Clube da Esquina. EMI-Odeon, 1972.

NUNES, Thais dos Guimarães Alvim. A sonoridade específica do clube da esquina. Dissertação de mestrado (Música), Campinas: UNICAMP, 2005.

OLIVEIRA, Francisco de. Crítica à razão dualista/O ornitorrinco. São Paulo: Boitempo, 2013.

PACHECO, Ana Paula. Jagunços e homens livres pobres: o lugar do mito no Grande sertão. In: Novos estudos CEBRAP, São Paulo (81): 179-188, jul. 2008. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/nec/n81/13.pdf. Acesso em: 5 nov.2020

PASTA JÚNIOR. José Antonio. “O romance de Rosa”. In. Formação supressiva: constantes estruturais do romance brasileiro. Tese de livre Livre-Docência (Literatura Brasileira). São Paulo: USP, 2011.

RONCARI, Luiz. Patriarcalismo e dionisismo no santuário do Buriti Bom. In. Revista do ieb, São Paulo (46): 43-80, fev. 2008.

ROSA, João Guimarães. Manuelzão e Miguilim (Corpo de baile). 9° ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.

___________________. Grande Sertão: veredas. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1994.

___________________. Sagarana . Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001a.

___________________. Noites do sertão (Corpo de baile). 9° ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001b.

SCHLEGEL, Friedrich. O dialeto dos fragmentos. Trad. Márcio Suzuki. São Paulo: Iluminuras, 1997.

SOUSA, Harlon Homem de Lacerda. As arquitetônicas sertanejas da ficção de João Guimarães Rosa. Tese de doutorado (Letras) Fortaleza: UFC, 2018.

SCHWARZ, Roberto. Um mestre na periferia do capitalismo: Machado de Assim. 2° Ed. São Paulo: Duas cidades/Ed. 34, 2012.

VILELA, Ivan. A arte de pontear viola. Brasília, Curitiba: Ed. Autor, 2000.

___________. Nada ficou como antes. In: Revista USP, São Paulo (87): 14-27, set./out./nov. 2010. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/revusp/article/view/13827/15645. Acesso em: 5 nov.2020

Downloads

Publicado

2021-03-24

Como Citar

Fecchio Gueraldo, V. J. (2021). Tudo junto e misturado: aproximações entre Guimarães Rosa e Milton Nascimento. Revista Crioula, 26(1), 162-177. Recuperado de https://www.revistas.usp.br/crioula/article/view/177200

Edição

Seção

Dossiê 26: Relações entre literatura e música na produção de língua portuguesa