OS SUBTERRÂNEOS DA CULTURA: APROXIMAÇÕES ENTRE ANGÚSTIA E VOZ DE PRISÃO

  • Adriano de Almeida Universidade de São Paulo (USP)
Palavras-chave: Modernismo, Graciliano Ramos, Manuel Ferreira, Papel do intelectual, Comparatismo lusófono

Resumo

ESTE TRABALHO VISA APONTAR ALGUMAS RELAÇÕES ENTRE AS OBRAS ANGÚSTIA, DE GRACILIANO RAMOS E VOZ DE PRISÃO, DE MANUEL FERREIRA. ENTRE OS NEXOS COMPARATIVOS, DESTACA-SE A HIPÓTESE DE QUE NAS DUAS OBRAS SÃO EXPLORADAS AS TENSÕES ENTRE DISCURSOS HEGEMÔNICOS E DISCURSOS RENEGADOS OU – COMO PRETENDEMOS CARACTERIZAR – „SUBTERRÂNEOS‟. NA CONSIDERAÇÃO DESSE EMBATE DE FORÇAS – CULTURAL, ESTÉTICA, IDEOLÓGICO –, A FUNÇÃO DO INTELECTUAL, TAL COMO PENSADA POR EDWARD SAID, SERÁ APONTADA COMO DECISIVA.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriano de Almeida, Universidade de São Paulo (USP)
Mestrando da área de Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa – DLCV – FFLCH – USP. Título da pesquisa (provisório): Os subterrâneos da cultura – tensões entre costumes, literatura e linguagem nas narrativas Angústia, de Graciliano Ramos, e Voz de prisão, de Manuel Ferreira.
Publicado
2012-05-01
Como Citar
Almeida, A. (2012). OS SUBTERRÂNEOS DA CULTURA: APROXIMAÇÕES ENTRE ANGÚSTIA E VOZ DE PRISÃO. Revista Crioula, (11). https://doi.org/10.11606/issn.1981-7169.crioula.2012.55539
Seção
Dossiê: Polícia, Política e Literatura