E SE HOUVESSE UMA HECATOMBE AGORA? A RELATIVIDADE DA PERSPECTIVA DISTÓPICA NA NARRATIVA PÓS-APOCALÍPTICA DE PEPETELA

Autores

  • Luana Barossi Universidade de São Paulo (USP)

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-7169.crioula.2013.64223

Palavras-chave:

Distopia, Pós-apocalipse, Relatividade, Pepetela

Resumo

Este artigo traz uma leitura acerca da relatividade da experiência distópica das personagens notopos pós-apocalíptico da narrativa O quase fim do mundo, do angolano Pepetela. Ao considerar a distopia um acontecimento ou experiência, em vez de uma situação espaço-temporal, torna-se possível uma relativização da condição distópica, transfigurando seu atributo de totalidade generalizadora.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luana Barossi, Universidade de São Paulo (USP)

Doutoranda do Programa de Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa com a pesquisa “Aspectos ciência-ficcionais nas literaturas de Língua Portuguesa”.

Downloads

Publicado

2014-07-15

Como Citar

Barossi, L. (2014). E SE HOUVESSE UMA HECATOMBE AGORA? A RELATIVIDADE DA PERSPECTIVA DISTÓPICA NA NARRATIVA PÓS-APOCALÍPTICA DE PEPETELA. Revista Crioula, (13). https://doi.org/10.11606/issn.1981-7169.crioula.2013.64223

Edição

Seção

Artigos e ensaios