[1]
T. Amado, “Primórdios da edição infantojuvenil portuguesa e brasileira: entrecruzamentos e não cruzamentos”, Rev. Crioula, nº 25, p. 263-275, jul. 2020.