Conexão Angola-Portugal: os dias de ponte aérea de um povo retornado

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2175-3180.v11i20p234-250

Palavras-chave:

Retornados, Literatura portuguesa, Literatura comparada

Resumo

O fim da ditadura militar portuguesa através da Revolução dos Cravos anuncia o início de um novo período que se reflete não apenas em Portugal, mas sim em suas colônias, sobretudo em Angola e Moçambique, que passam a projetar seus processos de independência e construção de uma nação feita por e para africanos. Como resultado, cerca de meio milhão de portugueses são obrigados a abandonar suas casas em África e regressar para a Metrópole. Este trabalho tem por objetivo narrar sobre essas viagens retratadas na obra S.O.S Angola, da jornalista Rita Garcia. Como teóricos, utiliza-se uma introdução literária, do professor Carlos Reis e os conceitos de geometria da memória, dos pesquisadores António Souza Ribeiro e Margarida Calafate Ribeiro e de Diáspora, com Stuart Hall.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pietro Gabriel dos Santos Pacheco, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Mestre em Teoria da Literatura pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Brasil

Referências

AUERBACH, Erich. Mímesis – a representação da realidade na literatura ocidental. São Paulo: Perspectiva, 1971.

BARTHES, Roland. O efeito do real. In __________. O Rumor da língua. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

BURKE, Peter. A Revolução francesa da historiografia: a Escola dos Annales (1929-1989). São Paulo: Ed. UNESP, 1992.

FIGUEIREDO, Isabela. Caderno de memórias coloniais. 5.ed. Coimbra: AngelusNovus, 2011.

GARCIA, Rita. S.O.S. Angola: Os dias da Ponte Aérea. Lisboa: Oficina do Livro, 2011.

GONÇALVES, Leandro Pereira; PAREDES, Marçal de Menezes. Depois dos Cravos: Liberdades e independências. Porto Algre: EDIPUCRS, 2017.

HALL, Stuart. Da diáspora: Identidades e Mediações Culturais. Minas Gerais: UFMG, 2008.

MENEZES, Solival. Mamma Angola: Sociedade e Economia de um País Nascente. São Paulo: Edusp, 2000.

NETO, Maria da Conceição. Maria do Huambo: Uma vida de “indígena”. Colonização, estatuto jurídico e discriminação racial em Angola (1926-1961). In África: Revista do centro de estudos africanos. São Paulo: USP, 2005, p. 119-127.

PEARCE, Justin. A Guerra Civil em Angola: 1975-2002. Lisboa: Tinta da China, 2017.

REIS, Carlos. O Conhecimento da Literatura: uma Introdução aos Estudos Literários, 2 ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2013.

RIBEIRO, Antônio Souza; RIBEIRO, Margarita Calafate. Geometrias da Memória: Configurações Pós-coloniais. InRIBEIRO, Antônio Souza; RIBEIRO, Margarita Calafate (orgs.). Geometrias da Memória: Configurações Pós-coloniais. Porto: Afrontamento, 2016.

SCHUBERT, Joe. 2013. Democratização e consolidação do poder político em Angola no pós-guerra. Disponível em:http://www.scielo.mec.pt/pdf/ri/n37/n37a07.pdf. Acesso em: 03 de junho de 2018.

SECCO, Lincoln. Trinta anos da Revolução dos Cravos in Revista Adusp, 33 ed. São Paulo: USP. Outubro de 2004.

Downloads

Publicado

2019-06-30

Como Citar

Pacheco, P. G. dos S. (2019). Conexão Angola-Portugal: os dias de ponte aérea de um povo retornado. Revista Desassossego, 11(20), 234-250. https://doi.org/10.11606/issn.2175-3180.v11i20p234-250