O martírio do padre e dos cavaleiros: perspectivas do "morrer pela fé" em Gil Vicente e em José de Anchieta

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2175-3180.v12i23p117-132

Palavras-chave:

Gil Vicente, José de Anchieta, Salvação, Morte, Teatro religioso

Resumo

O tema da morte – e o que acontece depois dela – é recorrente na arte medieval europeia. O teatro português do período, tendo encontrado seu apogeu em Gil Vicente, encontra também no mestre uma discussão sobre diferentes tipos de almas, de mortes e de destinos. Poucas décadas depois, do outro lado do Oceano Atlântico, a colônia portuguesa na América viu o padre jesuíta José de Anchieta encenar, com a ajuda de outros padres e também de nativos, peças que também discutiam o tema. Este artigo lança o olhar sobre as consequências eternas do martírio religioso. Morrer pela fé católica parece garantir não só a entrada no Paraíso, como também um certo prestígio diante de representantes divinos. Pretendemos analisar de duas peças: o Auto da Barca do Inferno, de Gil Vicente, em que quatro Cavaleiros Templários são recebidos com honrarias pelo Anjo barqueiro, e o Diálogo de Pero Dias mártir, de José de Anchieta, em que um jesuíta martirizado em alto-mar conversa com o próprio Cristo. O que propomos é perceber as relações dialógicas entre os textos: a inserção em uma mesma tradição teatral e o estabelecimento de uma mesma moral cristã católica quinhentista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marina Gialluca Domene, Universidade de São Paulo

Mestre em Literatura Portuguesa e Graduada em Letras (Português-Inglês) pela Universidade de São Paulo.

Referências

ANCHIETA, José de. Poemas – Manuscritos do século XVI, em português, castelhano, latim e tupi. Transcrição, tradução e notas de M. de L. de Paula Martins. São Paulo: Museu Paulista, 1954.

ANCHIETA, José de. Teatro de Anchieta; introdução, notas e tradução de Armando Cardoso. São Paulo: Edições Loyola, 1977.

BERNARDES, José Augusto Cardoso. Revisões de Gil Vicente. Coimbra: Angelus Novus, 2003.

BORBA FILHO, Hermilo. História do teatro. Rio de Janeiro: Livraria-Editôra da Casa do Estudante do Brasil, 1950.

COSTA, Dalila Pereira. Gil Vicente e sua época. Lisboa: Guimarães Editores, 1989.

CYMBALISTA, Renato. Sangue, ossos e terras: Os mortos e a ocupação do território luso-brasileiro – séculos XVI e XVII. 2006. 428p. Tese (Doutorado) - Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo - Doutorado em Concentração, História e Fundamentos da Arquitetura e Urbanismo. Universidade de São Paulo.

ECO, Umberto. O nome da rosa. Rio de Janeiro; São Paulo: Editora Record, 2019.

MINOIS, Georges. História do riso e do escárnio. São Paulo: Editora UNESP, 2003.

SARAIVA, José Antonio. Poesia e drama: Bernardim Ribeiro, Gil Vicente, Cantigas de Amigo. Lisboa: Gradiva, 1990.

TEYSSIER, Paul. Gil Vicente: o autor e a obra. Lisboa: Instituto de Cultura e Língua Portuguesa, 1985.

VICENTE, Gil. Autos; organização, apresentação e ensaios de Cleonice Berardinelli. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2012.

Downloads

Publicado

2020-12-29

Como Citar

Domene, M. G. (2020). O martírio do padre e dos cavaleiros: perspectivas do "morrer pela fé" em Gil Vicente e em José de Anchieta. Revista Desassossego, 12(23), 117-132. https://doi.org/10.11606/issn.2175-3180.v12i23p117-132