Um Carro, queimado, na berma da estrada: a experiência de um laboratório de escrita para teatro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2175-3180.v12i23p166-184

Palavras-chave:

Escrita para teatro, Laboratório de escrita, Dramaturgia portuguesa, Crise do drama

Resumo

Este texto faz o balanço do Laboratório de Escrita para Teatro, promovido pelo Teatro Nacional D. Maria II (Lisboa), que coordenei de Setembro de 2015 a Setembro de 2019. Nesses quatro anos foram escritos vinte e três textos originais para teatro por vinte e três novos autores. O projecto surge integrado num programa mais lato de apoio a dramaturgias emergentes e ao incentivo à nova dramaturgia portuguesa, consistindo, neste caso, na aproximação de jovens autores dramáticos a processos de partilha, experimentação e colaboração que possam desafiar, influenciar e estimular a escrita original de um texto para teatro. Na primeira edição (2015/16) andámos em torno de “Um estado de excepção permanente”, sob a égide de Terry Eagleton (2003) e da ideia de que a dramaturgia contemporânea não tem outra hipótese senão dar conta do estado de guerra – um estado de excepção permanente – entre os indivíduos e as instituições de poder. Na segunda edição (2016/17) fomos questionando “A política de tudo”, num gesto de homenagem aos cem anos da Revolução de Outubro e de uma inquirição das contradições do século XX, inspirados pela lição de Alain Badiou (2005). Na terceira edição (2017/18) demorámo-nos n’ “O quotidiano do homem comum e outras coisas sem importância”, conduzidos pela reflexão de Jean-Pierre Sarrazac em torno da poética da dramaturgia contemporânea e das suas “microepopeias dos anónimos”. Na quarta edição (2018/19), quisemos “Interromper o real para a ele regressar”, confiando nos possíveis gestos políticos que o teatro pode compreender.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rui Pina Coelho, Universidade de Lisboa

Professor e diretor do Centro de Estudos de Teatro da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Licenciatura em Línguas e Literaturas Modernas, variante de estudos Portugueses e Ingleses na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, Mestre em Estudos de Teatro na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e Doutoramento em Doutorado em Estudos Artísticos – Especialidade em Estudos de Teatro.

Referências

BADIOU, Alain. Le Siècle. Paris : Éditions du Seuil, 2005.

EAGLETON, Terry. Sweet Violence: The Idea of the Tragic. Oxford: Blackwell Publishing, 2003.

LOURENÇO, Eduardo.“Psicanálise mítica do destino português” in O Labirinto da saudade. Lisboa: Gradiva, 2000.

MATEUS, Osório. “Especificidade do texto dramático”, De Teatro e outras escritas. Lisboa: Quimera, 2002, pp. 105-115.

REBELLO, Luiz Francisco. Breve história do teatro português (5ª ed.). Mem-Martins: Publicações Europa-América, 2000.

SARRAZAC, Jean-Pierre. O Outro diálogo: elementos para uma poética do drama moderno e contemporâneo. Évora: Licorne, 2011.

SARRAZAC, Jean-Pierre. Poétique du Drame Moderne: De Henrik Ibsen à Bernard-Marie Koltès. Paris: Éditions du Seuil, 2012.

Downloads

Publicado

2020-12-29

Como Citar

Coelho, R. P. (2020). Um Carro, queimado, na berma da estrada: a experiência de um laboratório de escrita para teatro. Revista Desassossego, 12(23), 166-184. https://doi.org/10.11606/issn.2175-3180.v12i23p166-184