Perspectivas feministas sobre a perseguição de bruxaria em "O crime de Aldeia Velha", de Bernardo Santareno

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2175-3180.v12i23p63-79

Palavras-chave:

Bernardo Santareno, Bruxa, Feminismo

Resumo

Inspirada no caso verídico da queimada-viva de Soalhães, a peça O crime de Aldeia Velha (1959), de Bernardo Santareno, encena a perseguição de uma jovem pelas mulheres da comunidade rural em que vive. Acusada de ser uma bruxa possessa do diabo, Joana acabará por morrer numa fogueira supostamente acendida na esperança de a livrar do mal. No presente estudo, objetiva-se analisar essa obra à luz de teorias feministas levantadas sobretudo a partir dos anos 60 do século passado acerca da perseguição das bruxas, a fim de identificar tanto pontos de contato entre estas últimas e a peça de Santareno, quanto particularidades na visão do dramaturgo português no que toca às questões de gênero que subjazem a supostos casos de bruxaria. Especial atenção será concedida às implicações específicas do cenário da peça de Santareno – uma aldeia portuguesa nos meados do século XX – no sentido em que diverge sensivelmente do foco das teorias mencionadas acima, que, na maior parte, foram desenvolvidas na Europa do norte e nos Estudos Unidos, e que incidem prioritariamente sobre a proliferação de processos de bruxas nessas regiões nos primeiros séculos da Idade Moderna.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Robin Driver, Universidade de São Paulo

Doutorando em Literatura Portuguesa na Universidade de São Paulo, com bolsa CAPES. Graduado em Letras - Inglês e Francês pela Universidade de Oxford e Mestre em Estudos Comparatistas na Universidade de Lisboa.

Referências

BESSA-LUÍS, Agustina. A sibila. Lisboa: Relógio D’Água Editores, 2017.

BRANCO, Camilo Castelo. A bruxa de Monte-Cordova. Lisboa: Parceria António Maria Pereira, 1904.

DALY, Mary. Gyn/ecology: the metaethics of radical feminism. Boston: Beacon Press, 1978.

DWORKIN, Andrea. Woman hating. New York: Plume, 1974.

FEDERECI, Silvia. Calibã e a bruxa: mulheres, corpo e acumulação primitiva. Tradução do Coletivo Sycorax. São Paulo: Editora Elefante, 2017.

KRAMER, Heinrich; SPRENGER, James. O martelo das feiticeiras. Tradução de Paulo Fróes. Rio de Janeiro: Editora Rosa dos Tempos, 2004.

MICHELET, Jules. La sorcière. Paris: Gallimard, 2016.

MILLER, Arthur. The crucible. Londres: Penguin, 2000.

MURRAY, Margaret Alice. The witch-cult in Western Europe: a study in anthropology. Oxford: Oxford University Press, 1921.

RANDALL, Anne Frances. A letter to the women of England on the injustice of mental subordination – with anecdotes. Londres: T.N. Longman and O. Rees, 1799.

SANTARENO, Bernardo. O crime de Aldeia Velha. Silveira: E-Primatur, 2017.

SANTARENO, Bernardo. Obras completas, 1º vol. Lisboa: Caminho, 1984.

SANTARENO, Bernardo. Obras completas, 2º vol. Lisboa: Caminho, 1985.

SANTO, Moisés Espírito. A religião popular portuguesa. Lisboa: Assírio & Alvim, 1990.

SEMPRUCH, Justyna. Fantasies of gender and the witch in feminist theory and literature. West Lafayette: Purdue University Press, 2008.

SZACHOWICZ-SEMPRUCH, Justyna. “The witch figure in nineteenth- and twentieth-century literature” In: DILLINGER, Johannes (ed.). The Routledge history of witchcraft. Abingdon: Routledge, 2020. p. 370-381.

Downloads

Publicado

2020-12-29

Como Citar

Driver, R. (2020). Perspectivas feministas sobre a perseguição de bruxaria em "O crime de Aldeia Velha", de Bernardo Santareno. Revista Desassossego, 12(23), 63-79. https://doi.org/10.11606/issn.2175-3180.v12i23p63-79

Dados de financiamento