Os homens dos dóris: Bernardo Santareno e o fazer do mar um texto para produzir sentido

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2175-3180.v12i23p41-62

Palavras-chave:

Bernardo Santareno, Mar, Produção de sentido

Resumo

Este trabalho trata das crônicas de Bernardo Santareno presentes na obra Nos mares do fim do mundo (1959) e de seu dialogismo com a peça teatral O lugre (1959), do mesmo autor. Na primeira, o autor, tratando de troças, foca a personalidade (As peias do balanço); de contação de causos, a tradição e a memória (Antigamente). Psiquiatra de formação, a Santareno não passou despercebidos a humilhação (O bobo), o desespero (O ciclone), a descoberta (Funeral marítimo), a esperança (Frederikshaabs), a superstição (Os fantasmas da Groenlândia; O lobisomem) e a angústia (As mulheres dos mais rijos navegadores do mundo) evidenciadas na condição social e pessoal dos personagens, pescadores de bacalhau em sua maioria, e dos que por eles são lembrados, esposas, filhas e amigos. Em cada crônica, a identificação santarena da dignidade que os eleva de um aparente anti-heroismo à condição de heróis. Heróis da resiliência, da superação e do aprender a estarem sozinhos consigo mesmos. Uns, aprendizes, despreparados para lidar com o amor e a morte. Outros, maduros, enfrentando a solidão, o perecimento e o finamento dezenas de vezes em seus dóris. Ao final, o que aprenderam sendo contado a um médico-escritor que viajava com eles. Núcleos narrativos que são, estas crônicas preparam caminho para que Bernardo Santareno redija a peça teatral O lugre (1959), leitura santarena da pesca do bacalhau nada condizente com o rumo traçado pela propaganda Salazarista de então. Tratados, em sua ambivalência, na sequência deste ensaio, em ambas, o exercício do confinamento e do distanciamento social, com todas as exigências e consequências que ambos impõem à condição humana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosemary Conceição dos Santos, Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

Pós-Doutorado em Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa pela Universidade de São Paulo. Pós-Doutorado em Literaturas de Língua Portuguesa pela Pontifícia Universidade Católica. Pós-Doutorado em Letras Clássicas e Vernáculas pela Universidade de São Paulo. Pós-Doutorado em Cognição, Leitura e Literatura pela Universidade de São Paulo (2009). Doutorado em Literatura Portuguesa pela Universidade de São Paulo. Mestrado em Estudos Literários pela Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”.

José Aparecido Da Silva, Universidade de São Paulo

Professor Titular Aposentado do Departamento de Psicologia da FFCLRP-USP. Tem atuado como professor visitante em diversas instituições de ensino superior nacionais e internacionais.

Referências

CRUZ, Valdemar. Cobaias de Salazar. In: <https://expresso.pt/sociedade/2017-06-18-Cobaias-de-Salazar> Acesso em 25 out 2020.

GARRIDO, Álvaro. O Estado Novo e as pescas: a recriação historicista de uma “tradição marítima nacional”. In: Torgal, Luís Reis; Paulo, Heloísa. Estados autoritários e totalitários e suas representações. Coimbra: IUC, 2008. Disponível em <https://digitalis-dsp.uc.pt/jspui/bitstream/10316.2/32197/1/7-%20estados%20autorit%C3%A1rios.pdf?ln=pt-pt> Acesso em 28 out 2020.

LIMA, Luiz Tenório Oliveira. Freud. São Paulo: Publifolha, 2013.

LOURENÇO, Eduardo. Portugal como Destino seguido de Mitologia da Saudade. Lisboa: Gradiva, 2012.

MAGALHÃES, Maria José. Movimento feminista e educação: Portugal, décadas de 70 e 80. Oeiras: Celta Editora, 1998.

MARQUES, A. H. de Oliveira. História de Portugal: Das Revoluções Liberais aos Nossos Dias. Vol. III. Lisboa: Editorial Presença, 1998.

MOISÉS, Massaud. A literatura portuguesa através dos textos. São Paulo: Cultrix, 2012.

REIMAR. O lugre "Granja", do Porto. Disponível em <https://naviosenavegadores.blogspot.com/2017/04/o-lugre-granja-do-porto.html> Acesso em 28 out 2020.

REIS, Carlos. História Crítica da Literatura Portuguesa: Do Realismo ao Post Modernismo. Volume IX. Lisboa: Verbo, 2005.

SANTARENO, Bernardo. Nos mares do fim do mundo: doze meses com os pescadores bacalhoeiros portugueses, por bancos da Terra Nova e da Groenlandia. Lisboa: Expo 98, 1997.

SANTARENO, Bernardo. O Lugre: peça em 6 quadros. Silveira, Lisboa: E-Primatur. 2019.

SANTOS, Graça. O Espetáculo Desvirtuado – O teatro português no reino de Salazar: 1933-1968). Alfragide: Editorial Caminho, 2002.

SARAIVA, António José; LOPES, Óscar. História da Literatura Portuguesa. Porto: Porto Editora, 1996).

SARAIVA, José Hermano. História concisa de Portugal. Mem Martins: Publicações Europa-América, 2011.

SELTZER, David. (National Geographic Society). Os solitários homens dos dóris. Os homens do mar de Portugal. (D. H. dos S. Alves & A. P. Marques Trad.). Centro de Estudos do Mar. Praia de Mira-Figueira da Foz. (Trabalho original em inglês publicado em 1968), 2008.

VYSE, Stuart A. Believing in Magic: The Psychology of Superstition. New York: Oxford University Press, 2014.

YATES, Frances A. A arte da memória. São Paulo: Editora da Unicamp, 2007).

Downloads

Publicado

2020-12-29

Como Citar

Santos, R. C. dos, & Silva, J. A. D. . (2020). Os homens dos dóris: Bernardo Santareno e o fazer do mar um texto para produzir sentido. Revista Desassossego, 12(23), 41-62. https://doi.org/10.11606/issn.2175-3180.v12i23p41-62