O marinheiro: "Navegar é preciso, viver não é preciso"

Autores

  • Francisco Maciel Silveira Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2175-3180.v12i23p156-165

Palavras-chave:

Fernando Pessoa, Heteronímia, Drama estático, Simbolismo

Resumo

O Marinheiro (1913) antecipa motivos que Fernando Pessoa desenvolverá na obra ortônima e heterônima ─ o desdobramento do ser; a incapacidade de sentir sem estar a pensar-se sentir; o mistério do ser o médium de si mesmo, ser só o que tinha possibilidades. A peça corresponde ao primeiro grande passo no sentido da despersonalização máxima a que objetivava sua obra: a realização da heteronímia. Este artigo, portanto, examinará a dissociação aparência/essência que se desdobra em dois espaços, o do palco e o da palavra poética, para concluirmos que O Marinheiro acaba sendo o verdadeiro manifesto do Orpheu, na medida em que concretiza o encantamento órfico da palavra poética, impondo-a como realidade única e absoluta ─ espaço inteligível gerador do plano sensível, essa sombra enganosa da verdadeira realidade. Demiurgo platônico, o marinheiro pessoano sonha as sombras de nossa realidade. Enfim, veladoras da realidade, não passamos de meras sombras e reminiscências ─ simulacros da verdadeira realidade de que nos exilamos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francisco Maciel Silveira, Universidade de São Paulo

Professor Titular Aposentado do Programa de Pós-Graduação em Literatura Portuguesa da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo.

Referências

LOURENÇO, Eduardo. “Orpheu ou a Poesia como Realidade”. Tetracórnio, fev. 1955.

PESSOA, Fernando. Obra Poética, Rio de Janeiro: Companhia José Aguilar Editora, 1969.

PESSOA, Fernando. “O Marinheiro”. In Orpheu. Lisboa: Ática, 1971.

PESSOA, Fernando. Obras em Prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1976.

Downloads

Publicado

2020-12-29

Como Citar

Silveira, F. M. (2020). O marinheiro: "Navegar é preciso, viver não é preciso". Revista Desassossego, 12(23), 156-165. https://doi.org/10.11606/issn.2175-3180.v12i23p156-165