DO POEMA DRAMÁTICO SIMBOLISTA AO TEATRO DO ABSURDO: O NAVEGAR IMPRECISO DE FERNANDO PESSOA EM O MARINHEIRO

Autores

  • Glauco Cunha Cazé

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2175-3180.v3i6p38-49

Palavras-chave:

Fernando Pessoa, Teatro português, Simbolismo, Absurdo

Resumo

Este artigo tem por objetivo a análise do texto teatral “O Marinheiro” (1913), de Fernando Pessoa (1888-1935), defendendo a hipótese de que o dramaturgo português, influenciado que foi pelo teatro simbolista do belga Maurice Maeterlinck (1862-1949), antecipa em quase cinquenta anos características do Teatro do Absurdo, que tem início, de modo mais oficial, com os estudos  do austríaco Martin Esslin (1918-2002) quando da publicação de seu livro homônimo em 1961.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2011-12-10

Como Citar

Cazé, G. C. (2011). DO POEMA DRAMÁTICO SIMBOLISTA AO TEATRO DO ABSURDO: O NAVEGAR IMPRECISO DE FERNANDO PESSOA EM O MARINHEIRO. Revista Desassossego, 3(6), 38-49. https://doi.org/10.11606/issn.2175-3180.v3i6p38-49

Edição

Seção

Dossiê