DO MITO AO POEMA: A BURLESCA QUEDA DE ARACNE

Autores

  • Paulo Ricardo Braz de Sousa Universidade Federal Fluminense

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2175-3180.v5i10p108-120

Palavras-chave:

Franco Alexandre, poesia portuguesa contemporânea, rebaixamento, desmedida, erotismo.

Resumo

Este artigo objetiva uma leitura da obra Aracne, de António Franco Alexandre, tendo em vista o aspecto do rebaixamento desencadeado pela desmedida do desejo como manifestação da liberdade criadora. A partir do diálogo com o mito clássico homônimo, presente nas Metamorfoses de Ovídio, observamos como a ideia de excesso ainda se articula à questão do erotismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Ricardo Braz de Sousa, Universidade Federal Fluminense

Paulo Ricardo Braz de Sousa é bolsista Faperj Nota 10. Publicou na Revista Abril (Qualis A1) o artigo Sobre a possessão erótico lírica ou a palavra silêncio na poesia de António Franco Alexandre, além de alguns trabalhos em Anais de evento sobre a obra deste mesmo poeta. Tendo recentemente defendido a dissertação O poeta que poderia ter sido: António Franco Alexandre, recebeu o grau de Mestre em Literatura Portuguesa pela Universidade Federal Fluminense – UFF.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Poíesis e práxis. In. O homem sem conteúdo. Tradução, notas e posfácio de Cláudio Oliveira. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2012.

ALEXANDRE, António Franco. Aracne. Lisboa: Assírio & Alvim, 2004.

______. Duende. Lisboa: Assírio & Alvim, 2002.

______. Poemas. Lisboa: Assírio & Alvim, 1996.

AMARAL, Ana Luísa e MARTELO, Rosa Maria. Aranhas e musas: Representações de poeta, subjectividades e identidades na poesia. Cadernos de Literatura Comparada, 14/15 – Textos e Mundos em Deslocação, Tomo 2, 2006, p. 31-63.

BARTHES, Roland. Fragmentos de um discurso amoroso. Tradução de Hortência dos Santos. Rio de Janeiro: F. Alves, 1981.

¬______. O prazer do texto. Tradução de J. Guinsburg. São Paulo: Perspectiva, 2008.

BATAILLE, Georges. A literatura e o mal. Tradução de Suely Bastos. Porto Alegre: L&PM, 1989.

CHAUÍ, Marilena. Sobre o medo. In. Os sentidos da paixão. NOVAES, Adauto (org.). São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

DELEUZE, Gilles e GUATTARI, Félix. Kafka: para uma literatura menor. Lisboa: Assírio & Alvim, 2002.

KAFKA, Franz. A metamorfose. Tradução de Modesto Caronte. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

OVÍDIO. Metamorfoses. Excertos traduzidos por Bocage. São Paulo: Editora Martin Claret, 2004.

PEREIRA, Edgard. Poetas do fim do milênio. Rio de Janeiro: Sette Letras, 1999.

MARTELO, Rosa Maria. A forma informe. Lisboa: Assírio & Alvim, 2010.

SAN-PAYO, Patrícia. Recensão crítica a Aracne, de António Franco Alexandre. Romântica, nº. 14, 2005, p. 235-238.

SARAIVA, António José e LÓPES, Óscar. A Poesia dos Cancioneiros. In. História da Literatura Portuguesa. Porto: Porto Editora, 1997.

Downloads

Publicado

2013-12-18

Como Citar

Sousa, P. R. B. de. (2013). DO MITO AO POEMA: A BURLESCA QUEDA DE ARACNE. Revista Desassossego, 5(10), 108-120. https://doi.org/10.11606/issn.2175-3180.v5i10p108-120

Edição

Seção

Vária