Acerca da sensitividade tátil na teoria freudiana

  • Carlota Ibertis Universidade Federal da Bahia
Palavras-chave: Sensações táteis, Imagens mnêmicas, Representação, Afeto

Resumo

Como é sabido, o empirismo freudiano dá especial relevância para as sensações visuais e auditivas. Por outro lado, não fica claro, por falta de explicitação, se Freud valoriza as sensações táteis da mesma forma que essas, embora elas estejam presentes em vários momentos-chave da vida psíquica. Com base nisso, o presente artigo explora o significado das sensações táteis na teoria freudiana, examinando suas funções na figuração onírica, nas pulsões parciais da infância e na instauração do eu. A análise mostra uma estreita conexão entre as sensações táteis e o afeto, sugerindo que a consideração freudiana sobre estas sensações requer reavaliação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Amacher, P. (1965). “Freud’s neurological educations and its influence on psychoanalytic theory”. In: Psychological Issues, v. 4, n. 4.
Anzieu, D. (1995). Le Moi-peau, Paris: Dunod.
Aulagnier, P. (2003). La violence de l’interprétation: du pictogramme à l’énoncé, Paris: PUF.
Botella, C. e S. (2003). La figurabilidad psíquica, trad. Irene Agoff, Buenos Aires: Amorrortu.
Bourlot, G. e Vives, J.-M. (2012). “Freud et la dimension sonore du langage”. In: L’évolution psychiatrique, v. 77, pp. 503-517.
Coelho Jr., N. E. (2001). “A noção de objeto na psicanálise freudiana”. In: Ágora: Estudos em Teoria Psicanalítica, Rio de Janeiro, v. 4, n. 2, jul./dec., pp. 37-49.
Condillac, E. B. (1993). Tratado das sensações, trad. Denis Bottman, Campinas: Ed. unicamp.
Cros, E. (2011). “El campo cultural de la segunda mitad del siglo xix y su articulación com la historia (Freud, Saussure, poética, pintura abstracta)”. In: Sociocriticism, v. xxvi, n. 1-2.
Diderot, D. (1979). Carta sobre os cegos para uso dos que veem, tradução Marilena Chaui e J. Guinsburg, São Paulo: Editora Abril Cultural.
Freud, S. (1976a). “Fragmentos de la correspondencia con Fliess”. In: Freud, Obras Completas, traducción José L. Etcheverry, notas y comentarios James Strachey, Buenos Aires: Amorrort.
Freud, S. (1976b). “Interpretación de los sueños”. In: Freud, Obras Completas, traducción José L. Etcheverry, notas y comentarios James Strachey, Buenos Aires: Amorrortu.
Freud, S. (1996). “Interpretação dos sonhos”. In: Freud, Obras psicológicas completas: edição standard brasileira, tradução Jayme Salomão, notas e comentários James Strachey, Rio de Janeiro: Imago.
Freud, S. (2003). “Projeto de uma psicologia”, tradução Osmyr Faria Gabbi Jr. In: Gabbi Jr., Osmyr Faria, Notas a Projeto de uma psicologia: as origens utilitaristas da psicanálise, Rio de Janeiro: Imago.
Freud, S. (2011) “O Eu e o Id”. In: Freud, Obras Completas, tradução Paulo César de Souza, São Paulo: Companhia das Letras, v. 16.
Freud, S. (2012). “Totem e tabu”. In: Freud, Obras Completas, tradução Paulo César de Souza, São Paulo: Companhia das Letras, v. 11.
Freud, S. (2013) “Sobre a concepção das afasias. Um estudo crítico”, tradução Emiliano de Brito Rossi. In: Freud, Obras Incompletas de Sigmund Freud. Belo Horizonte: Autêntica Editora.
Freud, S. (2014). “Conferências Introdutórias à Psicanálise”. In: Freud, Obras Completas, tradução S. Tellaroli, revisão Paulo César de Souza, São Paulo: Companhia das Letras, 2014, v. 13.
Freud, S. (2016). “Três ensaios sobre a teoria da sexualidade”. In: Freud, Obras Completas, tradução Paulo César de Souza, São Paulo: Companhia das Letras, v. 6.
Huot, H. (1991). Do sujeito à imagem: uma história do olho em Freud, tradução Cláudia Berliner, São Paulo: Escuta.
Ibertis, C. (2008). As tramas de Mnemosine: a memória nos primórdios da teoria freudiana, Tese de doutorado, Campinas: Ed. unicamp.
Ibertis, C. (2015). “Tacto y reflexividad: una aproximación entre Condillac y Freud”. In: Caorsi, C. e Navia, R. (compiladores), Actas del II Congreso de la Sociedad Filosófica del Uruguay, Montevideo, sfu, pp. 989-999.
Ibertis, C. (2017). “Figuração e figurabilidade: no início eram as sensações”. In: Revista Natureza Humana, São Paulo, v. 19, n. 1, jan./jul., pp. 57-74.
Kastrup, V. (2013) “Será que cegos sonham? O caso das imagens táteis distais”. In: Psicologia em Estudo, Maringá, v. 18, n. 3, pp. 431-440, Jul./Set.
Lecourt, E. (1997). Freud e o universo sonoro: o tique-taque do desejo, tradução Estela dos Santos Abreu, revisão Vera Ribeiro, Goiânia: Editora da UFG.
Winograd, M. e Costa Mendes, L. (2009). “Qual o corpo para psicanálise? Breve ensaio sobre o problema do corpo na obra de Freud”. In: Psicologia: Teoria e Prática, v. 11, n. 2, pp. 211-223.
Publicado
2019-06-24
Como Citar
Ibertis, C. (2019). Acerca da sensitividade tátil na teoria freudiana. Discurso, 49(1), 79-90. https://doi.org/10.11606/issn.2318-8863.discurso.2019.159283
Seção
Artigos