Diferença e vantagem da sedução cética

  • Cesar Kiraly Universidade Federal Fluminense, UFF
Palavras-chave: Ceticismo, Política, Ética

Resumo

Trata-se de apresentar os caminhos de uma abordagem, cética em relação à política e seus mecanismos de sedução, bem como a sua imprevisibilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Annas, J. (1983). The Morality of Happiness. Oxford: Oxford University Press.
Aubenque. (1973). “As Filosofias Helenísticas: estoicismo, epicurismo e ceticismo.” In: A Filosofia Pagã. Rio de Janeiro: Zahar.
Barnes, J. (1998). “The Beliefs of a Pyrrhonist.” In: The Original Sceptics: a controversy. Cambridge: Hackett Publishing Company.
Barthes, R. (2003). O Neutro. São Paulo: Martins Fontes.
Bernhard, T. (2011). “Montaigne: uma narrativa”, Serrote (7), pp. 231-238.
Bicca, L. (2012). “Ceticismo como Terapia.” In: Ceticismo e Relativismo. Rio de Janeiro: 7Letras.
Burnyeat, M. (1998). “Can the Sceptic Live his Scepticism?” In: The Original Sceptics: a controversy. Cambridge: Hackett Publishing Company.
Empiricus, S. (2006). Against Ethicists. Cambridge: Harvard University Press.
Laursen, J. C. (2004). “Yes, Skeptics Can Live Their Skepticism and Cope with Tyranny as Well Anyone.” In: Skepticism in Renaissance and Post-Renaissance Thought. New York: Humanity Books.
Smith, P. J. (2007). “Terapia e Vida Comum. ” Sképsis 1(1).
Publicado
2020-06-28
Como Citar
Kiraly, C. (2020). Diferença e vantagem da sedução cética. Discurso, 50(1), 39–64. https://doi.org/10.11606/issn.2318-8863.discurso.2020.171563
Seção
Artigos