Dualidades e tensões no Fausto de Goethe. Um ensaio

  • Pedro Fernandes Galé Universidade Federal de São Carlos, UFSCar
Palavras-chave: Goethe, Tragédia, Fausto, Polaridade

Resumo

Esse ensaio busca apresentar as dualidades presentes nos primeiros movimentos da edição de Fausto como elementos constituintes da formação do todo da obra. É a própria caracterização dual que garante à obra o estatuto de tragédia. Buscando estabelecer relações com as polaridades abordadas por Goethe essa leitura dual se faz de acordo com alguns postulados teóricos do próprio autor e é uma ferramenta que auxilia a compreensão dessa obra.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Aristóteles. (1986). Poética. Tradução de Eudoro de Souza. Lisboa: Imprensa Nacional — Casa da moeda.
Campos, H. (1981). Deus e o diabo no Fausto de Goethe. São Paulo: Perspectiva.
Cassirer, E. (1998). El problema del conocimiento IV. Tradução de Wenceslao Roces. México D. F.: Fondo de cultura económica.
Goethe, J. W. (1993a). A metamorfose das plantas. Tradução de Maria Filomena Molder. Lisboa: Imprensa Nacional — Casa da moeda,.
Goethe, J. W. (2000). Escritos sobre literatura. Tradução Pedro Süssekind. Rio de Janeiro: Editora 7 letras.
Goethe, J. W. (1994). Faust (2 v.) (Albrecht Schöne — Organização e comentários). Sämtliche Werke. Briefe Tagebücher und Gespräche, v. 15. Frankfurt am Main: Deutscher Klassiker Verlag.
Goethe, J. W. (2000). Fausto. Tradução de João Barrento. Lisboa: Relógio d´água.
Goethe, J. W. (1996). Fausto. Tradução de Agostinho d´Ornellas. Lisboa: Relógio d’água.
Goethe, J. W. (2004). Fausto. Tradução de Jenny Klabin Segall. São Paulo: Editora 34.
Goethe, J. W. (1997). Máximas e reflexões. Tradução de Afonso Teixeira da Mota. Lisboa: Guimarães Editores.
Goethe, J. W. (1993b). Schriften zur Morphologie. Sämtliche Werke. Briefe Tagebücher und Gespräche, v. 24. Frankfurt am Main: Deutscher Klassiker Verlag.
Goethe, J. W. Viagem à Itália. (1999). Tradução de Sérgio Tellaroli. São Paulo: Cia. Das Letras.
Leibniz. G. W. (2017). Ensaios de Teodicéia. Tradução de William Piauí e Juliana Cecci. São Paulo: Estação Liberdade.
Molder, M. F. (2017). Dia alegre, dia pensante, dia fatal. Lisboa: Relógio d´água.
Molder, M. F. (1995). O pensamento morfológico de Goethe. Lisboa: Imprensa Nacional — Casa da moeda.
Monzani, L. R. (1995). Desejo e prazer na idade moderna. Campinas: Ed. Unicamp.
Österkamp. E. (2000). “Amor e violência: a natureza de Fausto”. In: Galle e Mazzari (org.). Fausto e a américa Latina. São Paulo: Humanitas.
Platão. (2001). A República. Aristóteles. Poética. Tradução de Maria Helena da Rocha Pereira. Lisboa: Calouste Gulbenkian.
Schelling, W. F. (1974). Cartas sobre o dogmatismo e o criticismo. Os pensadores, v. xxvi. Tradução de R. R. Torres Filho. São Paulo: Abril Cultural.
Schiller, F. (2018). Objetos Trágicos, objetos estéticos. Tradução de Vladimir Vieira. Belo Horizonte: Autêntica.
Suzuki, M. (2005). “A ciência simbólica do mundo”. In: Novaes. A. (org.). Poetas que pensaram o mundo. São Paulo: Cia das Letras.
Winckelmann, J. J. (2011) Monumenti antici Inediti spiegate ed ilustrati. Mainz: Philipp von Zabern Verlag.
Publicado
2020-06-28
Como Citar
Galé, P. (2020). Dualidades e tensões no Fausto de Goethe. Um ensaio. Discurso, 50(1), 115–131. https://doi.org/10.11606/issn.2318-8863.discurso.2020.171572
Seção
Artigos