Os cursos de geografia física de Kant

  • Jorge Conceição
Palavras-chave: Geografia física, Antropologia pragmática, Cidadão do mundo, Habitante da terra, História natural

Resumo

Neste artigo indicaremos que a proposição fundamental dos cursos de Geografia física de Kant é: o homem é habitante da Terra. Para validar essa tese, alinharemos a metodologia utilizada por Kant nos cursos de Antropologia e de Geografia física, a fim de evidenciar as convergências e divergências desses cursos. Além disso, também compararemos a metodologia empregada por Kant na História natural e na Geografia física, porque a distinção entre essas ciências nos permitirá ratificar a tese aqui defendida e delimitar os critérios de validade da proposição acima indicada. Em Physische Geographie, Kant diferencia as proposições dessas disciplinas da seguinte maneira: as proposições geográficas se referem aos homens como habitantes da Terra, mas os investiga sem nenhuma perspectiva histórica, ou seja, os investiga no tempo presente. Ao contrário disso, as proposições naturalistas investigam os seres humanos em uma linha temporal sucessiva, a fim de demonstrar o que natureza fez deles. Dito isso, o problema central da história natural é demonstrar que os diferentes povos possuem uma origem comum e o problema central da geografia física é demonstrar de que maneira o habitat influencia no processo civilizador, moralizador, político e religioso dos diferentes povos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Adickes, E. (1911). Untersuchungen zur Kants physische Geographie. Tübingen: Mohr.
Adickes, E. (1925). Kant als Naturforscher. vol. II. Berlim: W. De Gruyter & CO.
Arnoldt, E. (1894). Kritische Excurse im Gebiete der Kant-Forschung. Konigsberg: F. Beyer.
Brandt, R. (1999). Kommentar zu Kants Anthropologie. Hamburg: Felix Meiner Verlag GmbH.
Cohen, A; et. al (2009). Kant and the human sciences: biology, anthropology and history. Londres: Palgrave Macmillan.
Hinske, N. (1996). Lebenserfahrung und Philosophie. Stuttgart-Bad Cannstatt: frommann-holzboog.
Kant, I. (1900). Gesammelte Schriften. Vol. 1-22 Preussische Akademie der Wissenschaften (ed.), vol. 23 Deutsche Akademie der Wissenschaften zu Berlin (ed.), vol. 24 e ss. Akademie der Wissenschaften zu Göttingen (ed.). Berlin.
Kant, I. (1831). Immanuel Kant’s Menschenkunde: oder philosophische Anthropologie. Stark, F. Leipzig: Die Expedition des europäischen Aufsehers.
Kant, I. (1980). Crítica da razão pura. Tradução de V. Rohden e U. B. Moosburger. São Paulo: Abril.
Kant, I. (2003). Crítica da razão prática. Tradução de V. Rohden. São Paulo: Martins Fontes.
Kant, I. (2005). Crítica da Faculdade do Juízo. Tradução de V. Rohden e A. Marques. 2ª Ed. Rio de Janeiro: Forense Universidade.
Kant, I. (2003). Prolegômenos a toda a metafísica futura. Tradução de A. Morão. Lisboa: Edições 70. 
Kant, I. (2005). “Sonhos de um visionário explicados por sonhos da metafísica”. In: Escritos pré-críticos. Tradução de J. Beckenkamp. São Paulo: Editora Unesp.
Kant, I. (2006). Antropologia de um ponto de vista pragmático. Tradução de C. Aparecida Martins. São Paulo: Editora Iluminuras.
Kant, I. (2004). O único argumento possível para uma demonstração da existência de Deus. Tradução de Carlos Morujão. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda.
Kant, I. (2010) “Das diferentes raças humanas”, Kant e-Prints. Tradução de A. Hahn. Campinas, Série 2, v. 5, n. 5, pp. 10-26.
Loparic, Z. (2005). A semântica transcendental de Kant. Campinas: UNICAMP, Centro de Lógica, Epistemologia e História da Ciência.
Louden, R. (2000). Kant’s Impure Ethics. New York: Oxford University Press.
Louden, R. (2011). Kant’s human being: essays on his theory of human nature. New York: Oxford University Press.
Louden, R. (2003). “The second part of morals”. In: Essays on Kant’s Anthropology. New York: Cambridge University Press, pp. 60-84.
Perez, D. (2010). “A proposição fundamental da antropologia pragmática e o conceito de cidadão do mundo em Kant”. In: Um Filósofo e a Multiplicidade de Dizeres. Coleção CLE, v. 57.
Perez, D. (2009). “A antropologia pragmática como parte da razão prática em sentido kantiano”, Manuscrito – Revista Internacional de Filosofia, v. 32, n. 2, pp. 357-397.
Perez, D. (2010). “O significado de natureza humana em Kant”, Kant e-Prints, v. 5, n. 1, pp. 75-87.
Perez, D. (2013). “A relação entre a teoria do juízo e a natureza humana em Kant”, Educação e Filosofia, v. 27, n. especial, pp. 233-258.
May, J. (1970). Kant’s concept of geography and its relation to recent geographical thought. Toronto: University of Toronto Press.
Santos, L. (1995). Metáforas da razão ou economia poética do pensar kantiano. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian e Junta nacional de investigação científica e tecnológica.
Santos, L. (2012). “A formação do pensamento biológico de Kant”. In: Kant e a biologia. São Paulo: Barcarolla.
Vollmer, J. (1802-1805). Physiche Geographie nach Kantischen Ideen. Mainz und Hamburg.
Zammito, J. (2002). Kant, Herder and the birty of Anthropology. Chicago: The University of Chicago Press.
Publicado
2020-06-28
Como Citar
Conceição, J. (2020). Os cursos de geografia física de Kant. Discurso, 50(1), 183–199. https://doi.org/10.11606/issn.2318-8863.discurso.2020.171577
Seção
Artigos