Introdução a uma leitura de Espinosa

  • Homero Santiago Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Marilena Chaui, Espinosa, Brasil, Autoritarismo

Resumo

Ao longo de décadas, a filósofa brasileira Marilena Chaui produziu uma das mais vigorosas e importantes interpretações da filosofia espinosana. Nossa intenção é propor uma introdução a essa leitura. Queremos mostrar como, ao mesmo tempo em que seus passos iniciais vinham na esteira da redescoberta francesa de Espinosa nos anos 60, essa interpretação, segundo relato da própria autora, foi elaborada nos anos 70 “sob o signo da crítica da ditadura”, de tal forma que, ali, a história da filosofia fosse praticada como “crítica do instituído”, ou ainda mais precisamente, como esforço compreensivo e crítico do autoritarismo brasileiro. Quais as circunstâncias dessa operação? É o que pretendemos investigar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Chaui, M. (1967). Maurice Merleau-Ponty e a crítica ao humanismo. Dissertação de mestrado. Departamento de Filosofia, FFCL-USP.
Chaui, M. (1971a). Introdução à leitura de Espinosa. Tese de doutorado. Departamento de Filosofia, FFLCH-USP.
Chaui, M. (1971b). “A linguagem na filosofia de Espinosa. À guisa de introdução”, Discurso, São Paulo, n. 2.
Chaui, M. (1971c). “Respostas às críticas feitas pelo Dr. Arnold von Bugenhagen à tese de doutoramento Introdução à leitura de Espinosa”. Departamento de Filosofia, FFLCH-USP. Texto Inédito.
Chaui, M. (1977). A nervura do real. Espinosa e a questão da liberdade. Tese de livre-docência. Departamento de Filosofia, FFLCH-USP, 2 vol.
Chaui, M. (1979). “Política e profecia”, Discurso, São Paulo, n. 10.
Chaui, M. (1981). “Experiência do pensamento”. In: Chaui, M., Da realidade sem mistérios ao mistério do mundo. São Paulo: Brasiliense.
Chaui, M. (1982). “Entrevista”, Trans/Form/Ação, São Paulo, n. 5.
Chaui, M. (2000). “Entrevista”. In: Nobre, M.; Rego, J. M. (org.). Conversas com filósofos brasileiros. São Paulo: Ed. 34.
Chaui, M. (2001). “Mea philosophia”. Entrevista a Bento Prado Jr. In: Nascimento, M. M. do (org.). Jornal de Resenhas. São Paulo: Discurso Editorial, vol. II.
Chaui, M. (2002). “A noção de estrutura em Merleau-Ponty”. In: Chaui, M. Experiência de pensamento: ensaios sobre a obra de Merleau-Ponty. São Paulo: Martins Fontes.
Chaui, M. (2007). “A descoberta de Espinosa no século 20”. Entrevista a Éricka Marie Itokazu, Homero Santiago e Marta Vitória Alencar. Discutindo Filosofia, São Paulo, n. 8.
Chaui, M. (2014). “Entrevista à Caros Amigos”. In: Chaui, M., A ideologia da competência. Belo Horizonte: Autêntica; São Paulo: Fundação Perseu Abramo
Chaui, M. (2016). A nervura do real. Imanência e Liberdade em Espinosa. São Paulo: Companhia das Letras, vol. II.
Chaui, M. (2017a). “Salinas: linguagem e violência”. In: Chaui, M., Sobre a violência. Belo Horizonte: Autêntica.
Chaui, M. (2017b). “Um lugar chamado Maria Antônia”. In: Chaui, M., Sobre a violência. Belo Horizonte: Autêntica.
Chaui, M. (2017c). Depoimento feito nas “Jornadas Foucault”. Departamento de Filosofia, FFLCH-USP, 18 de abril de 2017; disponível em: https://www.facebook.com/espinosanosusp/videos/1273844639378112/?v=1273844639378112
Chaui, M. (2018a). “A filosofia como vocação para a liberdade”. In: Chaui, M., Em defesa da educação pública, gratuita e democrática. Belo Horizonte: Autêntica.
Chaui, M. (2018b). “Fazer história da filosofia”. In: Chaui, M., Em defesa da educação pública, gratuita e democrática. Belo Horizonte: Autêntica.
Chaui, M. (2018c). “Saudação ao mestre”. In: Chaui, M., Em defesa da educação pública, gratuita e democrática. Belo Horizonte: Autêntica.
Chaui, M. (2018d). “Sobre o ensino de graduação em filosofia”. In: Chaui, M., Em defesa da educação pública, gratuita e democrática. Belo Horizonte: Autêntica.
De Paula, M. F. (2017). “Quando Marilena Chaui encontrou o Deus de Espinosa”, Cadernos espinosanos, São Paulo, n. 36.
Gueroult, M. (1968). Spinoza. Dieu. Paris: Aubier-Montaigne.
Merleau-Ponty, M. (2006). Le visible et l’invisible. Paris: Gallimard.
Oliva, L. C. (2020). “Espinosa na universidade brasileira”. In: Bregantini, D. Marilena Chaui: pensamento, afetos e análise da obra. São Paulo: Editora Cult.
Prado Jr., B. (1989). Presença e campo transcendental. Consciência e negatividade na filosofia de Bergson. São Paulo: Edusp.
Salinas Fortes, L. R. (2012). Retrato calado. São Paulo: Cosac Naify.
Siviero, J. M. (2017) “As novas aventuras da filosofia — Marilena Chaui lendo Merleau-Ponty”, Cadernos espinosanos, n. 36.
Strauss, L. (2015). Perseguição e a arte de escrever. São Paulo: É realizações.
Publicado
2020-06-28
Como Citar
Santiago, H. (2020). Introdução a uma leitura de Espinosa. Discurso, 50(1), 239–260. https://doi.org/10.11606/issn.2318-8863.discurso.2020.171581
Seção
Artigos