Sobre interpretação e o destino da ontologia em Nietzsche

  • Francisco Prata Gaspar Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)
Palavras-chave: Nietzsche, Ontologia, Morte de Deus, Vontade de verdade, Interpretação

Resumo

O artigo pretende discutir o sentido da ciência filosófica chamada “ontologia”, a doutrina do ente nele mesmo, a partir da crítica histórico-filosófica de Nietzsche à noção de verdade: na medida em que a “vontade de verdade” coloca a si mesma em questão e se pergunta pelo valor da verdade, não é só a “morte de Deus” e da moralidade cristã que finalmente têm lugar, a ideia mesma de uma doutrina do Ser cai por terra, entrando em seu lugar o conceito de “interpretação”. Segundo essa leitura, a filosofia de Nietzsche é a um só tempo destino histórico e conceituação crítica desse destino. O artigo indica que se há uma tese ontológica na filosofia de Nietzsche — o mundo em si seria vontade de poder —, o sentido de “ontologia” aqui não é e não pode ser mais o sentido utilizado pela tradição metafísica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Aristóteles (2017). Metafísica. São Paulo: Edições Loyola. Trad. Giovanni Reale (trad. para o português: Marcelo Perine).
Baumbargen, A. G. (2004). Metaphysik. Norderstedt: Dietrich Scheglmann Reprints. Trad. Georg Friedrich Meier.
Fonseca, T. (1999). “Apresentação”. In: Curso de retórica — Cadernos de tradução, vol. 4. São Paulo: Departamento de Filosofia — USP. Trad. Thelma Lessa da Fonseca.
Fonseca, T. (2007). Nietzsche e a auto-superação da crítica. São Paulo: Humanitas Editorial.
Heidegger, M. (2008). Nietzsche I/II. Stuttgart: Klett-Cotta.
Heidegger, M. (1975). Die Frage nach dem Ding. Tübingen: Max Niemeyer Verlag.
Kant, I. (1902) Kants Gesammelte Schriften. Ed. Königlich Preussischen Akademie der Wissenschaften. Berlin: G. Reimer, 1902 em diante, 29 vols.
Lebrun. G. (1983). “Por que ler Nietzsche, hoje?”. In: Passeios ao léu. São Paulo: Brasiliense.
Lebrun, G. (1993). Kant e o fim da metafísica. São Paulo: Martins Fontes. Trad. Carlos Alberto Ribeiro de Moura.
Lebrun, G. (2001a) “Do erro à alienação”. In: Sobre Kant. São Paulo: Iluminuras. Trad. Rubens Rodrigues Torres Filho.
Lebrun, G. (2001b) “A terceira crítica ou a teologia reencontrada”. In: Sobre Kant. São Paulo: Iluminuras. Trad. Rubens Rodrigues Torres Filho.
Lima, M. (2013). “Funções regulativas em Kant e Nietzsche”. IN: Revista Kriterion. Belo Horizonte, nº 128, Dez. 2013, p. 367-382.
Marton, S. (2010). Nietzsche. Das forças cósmicas aos valores humanos. Belo Horizonte: UFMG.
Mattioli, W. (2011). “Do idealismo transcendental ao naturalismo: um salto ontológico no tempo a partir de uma fenomenologia da representação”. In: Cadernos Nietzsche, nº 29, p. 221-270.
MEIJERS, A. (1988). “Gustav Gerber und Friedrich Nietzsche”. In: Nietzsche Studien, nº 17, p. 369-390.
MOURA, C. A. (2001). “A invenção da crise”. In: Racionalidade e crise. São Paulo: Discurso Editorial.
Moura, C. A. (2005). Nietzsche: civilização e cultura. São Paulo: Martins Fontes.
Nasser, E. (2008). ”“A crítica da concepção de substância em Nietzsche”. In: Cadernos Nietzsche, 24, p. 87-102.
Nasser,4 E. (2015). Nietzsche e a ontologia do vir a ser. São Paulo: Edições Loyola.
Nietzsche, F. (1980). Sämtliche Werke. Kritische Studienausgabe. München: DTV, Berlin/ Nova York: Walter de Gruyter. Org. por Giorgio Colli e Mazzino Montinari.
Nietzsche, F. (2000). Humano demasiado humano. São Paulo: Cia das Letras. Trad.: Paulo César de Souza.
Nietzsche, F.(2004). Aurora. São Paulo: Cia das Letras. Trad. Paulo César de Souza.
Nietzsche, F. (2001). A Gaia Ciência. São Paulo: Cia das Letras. Trad.: Paulo César de Souza.
Nietzsche, F. (2016). Além de Bem e Mal. São Paulo: Cia das Letras. Trad.: Paulo César de Souza.
Nietzsche, F. (1998). Genealogia da Moral. São Paulo: Cia das Letras. Trad.: Paulo César de Souza.
Nietzsche, F. (2017). Crepúsculo dos Ídolos. São Paulo: Cia das Letras. Trad.: Paulo César de Souza.
Santos, L. H. (1993). “A essência da proposição e a essência do mundo”. In: Tractatus Logico-Philosophicus. São Paulo: Edusp.
Smith, J.A. (2009). “Tode ti em Aristóteles”. In: Sobre a metafísica de Aristóteles. (Org. ZINGANO, M.). São Paulo: Odysseus. Trad. Paulo Fernando Tadeu Ferreira.
Wolff, C. (2005). Erste Philosophie oder Ontologie. Hamburg: Felix Meiner.
Publicado
2020-06-28
Como Citar
Gaspar, F. (2020). Sobre interpretação e o destino da ontologia em Nietzsche. Discurso, 50(1), 279–306. https://doi.org/10.11606/issn.2318-8863.discurso.2020.171585
Seção
Artigos