Campeões de produtividade: dores e febres nos canaviais paulistas

  • José Roberto Pereira Novaes Universidade Federal do Rio de Janeiro; Instituto de Economia
Palavras-chave: Agroindústria canavieira, Trabalho, Saúde, Exploração

Resumo

A partir da década de 1970, a agroindústria canavieira passou por um processo de modernização e diversificação da produção que assegurou a sua expansão para além das regiões tradicionalmente produtoras. Nos últimos anos, esse processo ganhou mais visibilidade pelas condições favoráveis do açúcar e do álcool no mercado internacional e pela entrada dos investimentos internacionais nesse setor. Essas mudanças alteraram a dinâmica do mercado de trabalho, as formas de seleção, os tipo de contrato de trabalho, a organização do trabalho agrícola e o perfil dos trabalhadores. Nesse cenário é que os empresários continuam priorizando a contratação dos trabalhadores migrantes para o trabalho na safra da cana. A razão primordial dessa preferência se evidencia nos elevados níveis de produtividade desses trabalhadores no corte da cana. Eles foram habituados, desde criança, ao trabalho duro na terra para assegurar a sobrevivência da família. O trabalho nos canaviais não os amedronta, mesmo quando as exigências impostas os colocam no limite da sua capacidade física que deteriora seu corpo, trazendo sérias conseqüências para sua saúde. Este artigo mostra a deterioração nas condições de trabalho nos canaviais e explicita as medidas paliativas colocadas em prática pelos usineiros para melhorar as condições de trabalho, sem alterar as exigências e os níveis de produtividade do trabalho, as formas de remuneração e o controle da produção.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2007-04-01
Como Citar
Novaes, J. (2007). Campeões de produtividade: dores e febres nos canaviais paulistas . Estudos Avançados, 21(59), 167-177. Recuperado de https://www.revistas.usp.br/eav/article/view/10213
Seção
Dossiê Energia