Saudosismo e crítica social em Casa grande & senzala: a articulação de uma política da memória e de uma utopia

Autores

  • Alfredo César Melo

Palavras-chave:

Política da memória, Escravidão e memória, Democracia racial, Gilberto Freyre, Casa grande & senzala

Resumo

Neste artigo, procuro analisar a retórica de Casa grande & senzala fora da moldura dualista na qual a obra costuma ser avaliada. Para isso, demonstro como partes da obra, díspares nos seus princípios constitutivos (por exemplo, trechos memorialistas, análises antropológicas), articulam-se para propor ao leitor de então um pacto da memória, no qual eram relembradas liricamente as experiências do Brasil rural, ao mesmo tempo que eram refutadas por meio de retórica científica os estereótipos racistas produzidos pelo mesmo Brasil rural. De um lado, procura-se aproveitar essa dimensão afetiva da vida privada, enquanto, de outro, descartam-se os preconceitos produzidos por aquele mesmo mundo. Há um decantamento da memória, uma dialética sutil entre lembrança e esquecimento. A análise, portanto, indica que a memória em Casa grande & senzala vai muito além da mera dicção nostálgica, à qual a obra está associada. Finalmente, argumento que a importância de se discutir tal pacto de memória é dupla: pois, ao mesmo tempo que auxilia a compreensão dos elementos formadores do discurso da democracia racial, ajuda a desconstruí-lo e ressignificá-lo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2009-01-01

Como Citar

Melo, A. C. (2009). Saudosismo e crítica social em Casa grande & senzala: a articulação de uma política da memória e de uma utopia . Estudos Avançados, 23(67), 279-296. Recuperado de https://www.revistas.usp.br/eav/article/view/10398

Edição

Seção

Vozes do Nordeste