Os medos na política de segurança pública

Palavras-chave: Violência, Medo, Guerra às drogas, Crime organizado, Guerra irregular, Tráfico de armas, Maniqueísmo religioso, Segurança pública, Saúde pública, Estado democrático de direito

Resumo

O artigo propõe retomar o debate sobre os medos, que não podem ser negados e continuam limitando a liberdade de ação dos indivíduos paralisados. Discute a doutrina liberal do que deve ser feito para impedir que a ação individual seja tolhida, especialmente no liberalismo do medo, doutrina política sobre a crueldade, imposição deliberada de dor física ou moral pelo mais forte sobre o fraco. Relativiza a visão do Estado como uma ameaça perene à liberdade dos cidadãos que devem se curvar à repressão, pois que há grupos organizados ou indivíduos fora do Estado, como na rede do Transnational Organized Crime (TOC), que intimidam ou matam pessoas em nome dos seus interesses individuais ou fins ideológicos coletivos. A saída mais usada é a de garantir que nenhum desses servidores do Estado possa intimidar alguém, a não ser pelo uso de procedimentos legais bem compreendidos e aceitos. A partir daí discute como a guerra às drogas afeta os combatentes servidores do Estado e cria reações e problemas psíquicos; os moradores das áreas urbanas mais violentas que, por causa dos traumas acumulados, fecham-se para a convivência e o associativismo; por fim, os moradores das cidades, mais afeitos à mídia e a ideologia fundamentalista religiosa.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2019-08-21
Como Citar
Zaluar, A. (2019). Os medos na política de segurança pública. Estudos Avançados, 33(96), 7-22. https://doi.org/10.1590/s0103-4014.2019.3396.0002
Seção
Violência