Escritos insubordinados entre escravizados e libertos no Brasil

Palavras-chave: Protesto escravo, Temores e letramento de escravizados e libertos

Resumo

Neste artigo analisamos alguns textos coletivos produzidos por escravos e libertos. A partir do Tratado do Engenho de Santana da Capitania da Bahia (1789), dos papéis encontrados com africanos islamizados e suas repercussões na Corte Imperial (1835 e 1836), da declaração dos revoltosos mocambeiros em Viana, Maranhão (1867) e da carta da Comissão de Libertos enviada a Ruy Barbosa, no Rio de Janeiro (1889) analisamos as expectativas e as vontades expressas dos próprios escravizados e recém-libertos a partir de escritos, letramento e circulação de saberes. Consideramos os sentidos e significados da escrita nesses episódios, na garantia pela liberdade, na manutenção de direitos costumeiros, na negociação de conflitos cotidianos e nas percepções da sociedade escravista.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2019-08-21
Como Citar
Ribeiro Neto, A., & Gomes, F. (2019). Escritos insubordinados entre escravizados e libertos no Brasil. Estudos Avançados, 33(96), 155-177. https://doi.org/10.1590/s0103-4014.2019.3396.0010
Seção
Tinta negra, papel branco: escritas afrodescendentes e emancipação