Poesia A glorificação do sensível

Palavras-chave: Lírica de Goethe, Símbolo do Ouroboros, Versos de ocasião ou circunstância, Divã Ocidental-Oriental, Poesia do sensível

Resumo

Este ensaio busca ressaltar algumas características da extensa obra lírica de Johann Wolfgang von Goethe, desde os versos de “ocasião” com que saúda os avós maternos no Ano Novo de 1757, até pouco antes de sua morte em março de 1832. Distinguindo-se por profícua interpenetração de estilos, formas, motivos e também de várias tradições da lírica europeia, a obra poética de Goethe – dotada de extraordinária força onomatúrgica e inclinada a consumar na palavra uma epifania da ideia a partir do fenômeno – apresenta-nos, em alguns momentos mais “prosaicos”, uma faceta surpreendentemente moderna. Essa “modernidade” pode ser apontada também no ciclo, inspirado no poeta persa Hafiz e publicado pela primeira vez em 1819, Divã Ocidental-Oriental, que promove a integração num todo uno e coeso da expressão lírica (os gazéis e demais poemas) e do discurso ensaístico (nas “Notas e estudos para melhor compreensão do Divã Ocidental-Oriental”). Nesse ciclo manifesta-se ainda um jogo ficcional de despersonalização e mascaramento que reverbera mais tarde em grandes poetas da impessoalidade e das personae, como Robert Browning, W. B. Yeats ou F. Pessoa.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2019-08-21
Como Citar
Barrento, J. (2019). Poesia A glorificação do sensível. Estudos Avançados, 33(96), 317-337. https://doi.org/10.1590/s0103-4014.2019.3396.0017
Seção
Goethe