O decoro de uma cortesã

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/s0103-4014.2019.3397.017

Palavras-chave:

Machado de Assis, “Singular ocorrência”, Prostituta, Teatro, Moralidade, Teatralidade

Resumo

Entre as mudanças que abalaram a paisagem sensível europeia no final do século XIX, uma das mais inquietantes diz respeito à fabulação literária sobre a prostituta. O imaginário em torno do amor venal se modificou em paralelo ao gosto de um público cada vez menos identificado com as virtudes das heroínas românticas. Tais transformações repercutiram na literatura brasileira de modo particular. Afinal, no final dos Oitocentos, o país estava longe de partilhar a sociabilidade que dava base a essas mudanças na França, e os velhos valores patriarcais, católicos e escravocratas resistiam às equações mais modernas entre forma literária, erotismo e moralidade. É a partir desse quadro que se interpreta o conto “Singular ocorrência” (1883) de Machado de Assis, talvez o primeiro texto a demarcar uma mudança no modo de representar a personagem. Na história supostamente banal do relacionamento entre um homem poderoso e uma “Maria de tal”, interroga-se a performance da protagonista, cuja “discreta teatralidade” faz eco aos atributos das exuberantes cortesãs europeias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2019-12-13

Como Citar

Moraes, E. R. (2019). O decoro de uma cortesã. Estudos Avançados, 33(97), 317-329. https://doi.org/10.1590/s0103-4014.2019.3397.017

Edição

Seção

Literatura