A escrita como cena substitutiva da Pólis: memória, silêncio e testemunho em Salinas Fortes

Palavras-chave: Memória, Silêncio, Testemunho, Tortura, Ditadura

Resumo

A narrativa de memórias pode ser o espaço de articulação entre as vivências do sujeito e o movimento da coletividade. Os dois níveis se sobrepõem especialmente no relato pessoal de eventos históricos traumáticos. A escrita assumiria nesse caso a função de cena substitutiva da pólis. É o caso do livro Retrato calado, de Luiz Roberto Salinas Fortes. Nessa obra sobressaem a articulação de elementos autobiográficos, busca e desencontro de si e testemunho das prisões que enfrentou por motivos políticos durante a ditadura militar brasileira. A tortura física e psicológica que sofreu projeta as suas sombras em todas as páginas, de que resulta a impossibilidade de uma escrita confessional completa e bem-sucedida, seja no plano autobiográfico, seja no político.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2019-12-13
Como Citar
Costa, G. (2019). A escrita como cena substitutiva da Pólis: memória, silêncio e testemunho em Salinas Fortes. Estudos Avançados, 33(97), 331-345. https://doi.org/10.1590/s0103-4014.2019.3397.018
Seção
Literatura