Educar para um futuro mais sustentável e inclusivo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/s0103-4014.2020.34100.004

Palavras-chave:

Educação, Sustentabilidade, Futuro, Trabalho, Cidadania.

Resumo

O artigo procura se debruçar sobre as atuais tendências em educação básica no Brasil, frente ao que vem ocorrendo na pandemia, aos compromissos que o Brasil assumiu em 2015, com relação à sustentabilidade e, em particular, o Objetivo do Desenvolvimento Sustentável 4 e à chamada Revolução 4.0, que tende a eliminar de forma acelerada postos de trabalho. Procura mostrar que habilidades deverão ser desenvolvidas nos estudantes para assegurar no futuro acesso a um mundo do trabalho que poderá ser marcado por exclusões e crescente desigualdade social. Destaca também a necessária formação para uma relação mais saudável com o planeta e para o exercício de uma cidadania global compatível com o século XXI.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Claudia Costin, Centro de Excelência e Inovação em Políticas Educacionais, Fundação Getulio Vargas

Claudia Costin é diretora do Centro de Excelência e Inovação em Políticas Educacionais (Ceipe) da Fundação Getulio Vargas, Rio de Janeiro. É membro do Conselho Deliberativo do Instituto de Estudos Avançados da USP.

Referências

AOUN, J. E. Robot-Proof: Higher Education in the age of Artificial Intelligence. Cambridge, Massachusetts: The MIT Press, 2017.

INTERNATIONAL LABOUR ORGANIZATION - Global Commission on the Future of Work-2019. Work for a Brighter Future. Genève: International Labour Office, 2019.

LINDERT, P. Growing Public: social spending and economic growth since the eighteenth century. Cambridge: Cambridge University Press, 2004.

OECD. Trends shaping education 2019. Paris: OECD Publishing, 2019.

WORLD BANK. World Development Report 2018: Learning to realize education’s

promise. World Bank Publications, 2018.

Downloads

Publicado

2020-12-02

Como Citar

Costin, C. (2020). Educar para um futuro mais sustentável e inclusivo. Estudos Avançados, 34(100), 43-52. https://doi.org/10.1590/s0103-4014.2020.34100.004

Edição

Seção

Impactos da pandemia