A pandemia Covid-19: crise e deterioração do mercado de trabalho no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/s0103-4014.2020.34100.010

Palavras-chave:

Covid-19, Mercado de trabalho, Reforma laboral.

Resumo

A partir da análise de dados do IBGE sobre o mercado de trabalho no período pré e durante pandemia, além de literatura pertinente, este artigo contempla três dimensões: (i) traça um breve panorama sobre o contexto de crise econômica e do emprego e das mudanças que redundaram na reforma laboral de 2017 e os indicadores do mercado de trabalho no período que antecede a crise sanitária; (ii) os indicadores do mercado de trabalho no contexto da pandemia, que sinalizam os impactos sobre o trabalho; (iii) os desafios impostos ao sindicalismo decorrentes da intensificação da agenda neoliberal dos últimos quatro anos. Demonstra que a crise sanitária causada pelo SarsCoV-2 potencializou a fragilidade do mercado de trabalho que vinha em franco processo de deterioração nos últimos quatro anos no Brasil. Atingiu, de forma contundente e de diversas maneiras toda a classe trabalhadora dos diversos setores econômicos e de forma desigual nas diferentes regiões do Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Aparecida Bridi, Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Universidade Federal do Paraná

Maria Aparecida Bridi é socióloga, professora do departamento de Sociologia (Deciso) e do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal do Paraná; vice-presidente da Associação Brasileira de Estudos do Trabalho (Abet) e membro da coordenação nacional da Rede de Estudos e Monitoramento da Reforma Trabalhista (Remir). É coeditora da Revista da Abet.

Referências

ARAÚJO, A.; VÉRAS DE OLIVEIRA, R. O sindicalismo na era Lula: entre paradoxos

e novas perspectivas. In: VÉRAS DE OLIVEIRA, R.; BRIDI, M. A.; FERRAZ, M.

(Org.) O sindicalismo na Era Lula: paradoxos, perspectivas e olhares. Belo Horizonte:

Fino Trato, 2014.

BRESSER-PEREIRA, L. C.; THEUER, D. Um Estado novo-desenvolvimentista na

América Latina? Economia e Sociedade, Campinas, v.21, número especial, p.811-29,

BARBOSA FILHO, F. de H.; MOURA, R. L. de. Evolução recente da informalidade

do emprego no Brasil: uma análise segundo as características da Oferta de trabalho e o

setor. Pesquisa e Planejamento Econômico, Brasília, v.45, n.1, 2015.

BRIDI, M. A. Reforma trabalhista no Brasil, austeridade e retrocesso social. In: PACHECO, C. et al. (Org.) A América Latina hoje: rupturas e continuidades. Curitiba:

Editora Instituto Memória, 2020.

CARVALHO, L. Análise de Conjuntura Mercado de Trabalho – pré e durante pandemia. UFPR: GETS, 2020 (mimeo).

DIEESE. Anuário do Sistema Público de Emprego, Trabalho e Renda 2015: mercado de

trabalho: livro 1./ Departamento.

DIEESE. Acordos negociados pelas entidades sindicais para enfrentar a pandemia do

coronavírus - Covid 19. Estudos e Pesquisas. Disponível em: <https://www.dieese.org.

br/estudosepesquisas/2020/estPesq92AcordosCovidAtualizacao.pdf>. Acesso em: 2

set. 2020.

DIEESE. De olho nas negociações. Boletim 1, Agosto de 2020. Disponível em: https://www.dieese.org.br/boletimnegociacao/2020/boletimnegociacao01.pdf>.

Acesso em: 2 set. 2020.

FILGUEIRAS, V. As promessas da Reforma Trabalhista: combate ao desemprego e

redução da informalidade. In: KREIN, J. D.; VÉRAS DE OLIVEIRA, R.; FILGUEIRAS, V. (Org.) Reforma Trabalhista no Brasil: promessas e realidade. Campinas: Editora Curt Nimeundajú, 2019.

GALVÃO, A. Reforma Trabalhista: efeitos e perspectivas para os sindicatos. In: KREIN,

J. D.; VÉRAS DE OLIVEIRA, R.; FILGUEIRAS, V. (Org.) Reforma Trabalhista no

Brasil: promessas e realidade. Campinas: Editora Curt Nimeundajú, 2019.

_______. A greve, o breque, o trampo: a luta do entregadores é a luta dos trabalhadores.

Esquerda Diário, 3 de julho, 2020. Disponível em: <https://www.esquerdadiario.com.

br/A-greve-o-breque-o-trampo-a-luta-do-entregadores-e-a-luta-dos-trabalhadores>.

Acesso em: 4 set. 2020.

GOMES, M. C. As negociações coletivas na construção civil leve do Paraná: contexto dos

governos Lula e Dilma (2001-2014). Curitiba, 2017. Tese (Doutorado) – Universidade

Federal do Paraná.

IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua - Notas Metodológicas.

Rio de Janeiro: IBGE, 2014.

IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua. Diversos anos. Disponível em: <https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/trabalho.html>.

IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios – Covid-19. Disponível em: <https://covid19.ibge.gov.br/pnad-covid/trabalho.php>.

KREIN, J. D. O desmonte dos direitos, as novas configurações do trabalho e o esvaziamento da ação coletiva. Tempo Social, Revista de sociologia da USP, v.30, n.1. 2018.

Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/ts/v30n1/1809-4554-ts-30-01-0077.

pdf>.

KREIN, J. D.; ABÍLIO, L.; FREITAS, P.; BORSARI, P.; CRUZ, R. Flexibilização das

relações de trabalho: insegurança para os trabalhadores. In: KREIN, J. D; ANSELMO,

D. M. G. (Orgs). Dimensões críticas da reforma trabalhista no Brasil. Campinas: Curt

Nimuendajú, 2018.

KREIN, J. D.; VÉRAS DE OLIVEIRA, R. Os impactos da Reforma nas condições de

trabalho. In: KREIN, J. D; VÉRAS DE OLIVEIRA, R.; FILGUEIRAS. V. Reforma

trabalhista no Brasil: promessas e realidade. Campinas: Curt Nimuendajú, 2019.

LÚCIO, C. G. O novo mundo do trabalho é flexível, precário e inseguro. Carta Social

e do Trabalho, Campinas, n.38, p.1-11, jul./dez. 2018.

MACHADO, D. C.; MACHADO, A. F. Nota técnica: Um aspecto da subocupação por insuficiência de horas trabalhadas: a análise do desejo de trabalhar horas adicionais.

Disponível em: <http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/4106/1/

bmt33_02_notatecnica02.pdf>. Acesso em: 1 set. 2020.

PASSOS, A.; MELO, R. S. de; NICOLADELI, S. L. Financiamento Sindical no Brasil:

reflexões sócio-jurídicas e o curioso caso da MP 873/2019. Curitiba: RTM, 2019.

POCHMANN, M. Políticas sociais e padrão de mudanças no Brasil durante o governo

Lula. Revista SER Social, Brasília, v.13, n.28, p.12-40, 2011.

PORTELLA, G. O direito do trabalho do não-assalariado: nova informalidade e as zonas

cinzentas do assalariamento no Brasil. Curitiba, 2020. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Paraná.

SACCHET DE CARVALHO, S. Os efeitos da pandemia sobre os rendimentos do

trabalho e o impacto do auxílio emergencial: o que dizem os microdados da PNAD

covid-19. Carta de Conjuntura, v.48, 3˚ trimestre de 2020, IPEA, 2020.

TEIXEIRA, M.; BORSARI, P. Mercado de trabalho no contexto da pandemia: a situação

do Brasil até abril de 2020. Campinas: Unicamp; Cesit, 2020. Disponível em: <https://www.cesit.net.br/mercado-de-trabalho-no-contexto-da-pandemia-a-situacao-

-do-brasil-ate-abril-de-2020/>. Acesso em: 8 set. 2020.

VÉRAS DE OLIVEIRA, R. Para discutir os termos da nova informalidade: sobre sua

validade enquanto categoria de análise na era da flexibilização. In: VÉRAS DE OLIVEIRA, R. et al. (Org.) Marchas e contramarchas da informalidade do trabalho: das origens

às novas abordagens. João Pessoa: Ed. Universitária da UFPB, 2011.

Downloads

Publicado

2020-12-02

Como Citar

Bridi, M. A. (2020). A pandemia Covid-19: crise e deterioração do mercado de trabalho no Brasil. Estudos Avançados, 34(100), 141-166. https://doi.org/10.1590/s0103-4014.2020.34100.010

Edição

Seção

Impactos da pandemia