A reconfiguração das Cadeias Globais de Valor (global value chains) pós-pandemia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/s0103-4014.2020.34100.013

Palavras-chave:

Cadeias Globais de Valor, Cadeias Globais de Fornecimento, Empresas multinacionais, Pandemia, Brasil

Resumo

A fragmentação internacional dos sistemas de produção, que configura Cadeias Globais de Valor (CGV), é orquestrada por empresas multinacionais com suporte das tecnologias digitais. Nas últimas décadas, riscos e vulnerabilidades decorrentes de eventos imprevistos contestaram os fundamentos e colocaram em xeque a expansão e o desempenho das CGV. Por essa razão, as suas bases de operação já estavam sendo revistas e modificadas no sentido de criar resiliência. Não obstante, a dinâmica das CGV foi fortemente impactada pela pandemia do Covid-19. Com as CGV paralisadas, houve reações de governos nacionais e de empresas, tanto multinacionais quanto locais, para remediar problemas emergenciais. Tanto a paralização quanto as reações vão ter consequências para a reconfiguração das CGV no futuro. Neste artigo buscamos responder às questões: como evoluíram as GVC no pré-Covid? como empresas e governos estão reagindo? quais serão os fatores determinantes de mudanças? para então esboçar cenários de como serão reconfiguradas as CGV e o sistema internacional de produção. O Brasil, que ocupa uma posição particular nesse contexto, será sempre destaque nessa análise.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Afonso Fleury, Escola Politécnica, Universidade de São Paulo

Afonso Fleury é professor titular Senior do Departamento de Engenharia de Produção da Escola Politécnica da USP.

Maria Tereza Fleury, Escola de Administração, Fundação Getulio Vargas

Maria Tereza Fleury é professora e ex-diretora da Escola de Administração de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas e ex-diretora da Faculdade de Economia e Administração da USP.

Referências

BAUMANN, R. O Brasil e a economia global. Rio de Janeiro: Editora Campus, 1996.

DUNNING, J. H. Re-evaluating the benefits of foreign direct investment. Transnational Corporations, v.3, n.1, p.23-51, 1994.

FLEURY, A.; FLEURY, M. T. Brazilian multinationals: competences for internationalization. Cambridge – UK: Cambridge University Press, 2011.

FLEURY, A.; FLEURY, M. T.; BORINI, F. The Brazilian multinationals’ approaches

to innovation. Journal of International Management, v.19, p.260-75, 2013.

GEREFFI, G. What does the Covid-19 pandemic teach us about global value chains?

The case of medical supplies. Journal of International Business Studies, v.3, p.287-301,

GEREFFI, G.; HUMPHREY, J.; STURGEON, T. The governance of global value

chains. Review of International Politic Economy, v.12, n.1, p.78-104, 2005.

HUMPHREY, J.; SCHMITZ, H. The governance of global value chains. IDS Bulletin,

v.32, n.3, 2001.

McKINSEY. Building supply chain resilience. 2020. Disponivel em:

mckinsey.com/business-functions/operations/our-insights/building-supply-chain-

-resilience?cid=eml-web>.

PONOMAROV, S.; HOLCOMB, M. Understanding the concept of supply chain resilience. International Journal of Logistic Management, v.20, p.124-43, 2009.

RAMAMURTI, R.; SINGH, J. Emerging multinationals in emerging countries. Cambridge – UK: Cambridge University Press, 2008.

UNIDO. Industrial Development Report: industrializing in the digital age. Geneva, 2020. 228p.

WIPO. Global Innovation Index: Covid-19 Pandemic’s Expected Impact on Innovation. Geneva, 2020. 448p.

WIR. World Investment Report: Global Value Chains: Investment and Trade for Development. Geneva: UNCTAD, 2013. 264p.

WIR. International Production Beyond the Pandemic. Geneva: UNCTAD, 2020. 268p.

Downloads

Publicado

2020-12-02

Como Citar

Fleury, A., & Fleury, M. T. (2020). A reconfiguração das Cadeias Globais de Valor (global value chains) pós-pandemia. Estudos Avançados, 34(100), 203-222. https://doi.org/10.1590/s0103-4014.2020.34100.013

Edição

Seção

Impactos da pandemia